Energia Governo tem 1,5 milhões para carros eléctricos nos sistemas intermunicipais

Governo tem 1,5 milhões para carros eléctricos nos sistemas intermunicipais

Depois da administração central e das autarquias, o Governo vai lançar uma linha de apoio à compra de veículos eléctricos para sistemas intermunicipais. Empresas de gestão de resíduos ou de água podem beneficiar.
Governo tem 1,5 milhões para carros eléctricos nos sistemas intermunicipais
Miguel Baltazar/Negócios
Wilson Ledo 31 de maio de 2017 às 14:22

O Governo vai lançar uma nova linha de apoio de 1,5 milhões de euros para financiar a compra de 130 carros eléctricos por sistemas intermunicipais.

A novidade foi avançada esta quarta-feira, 31 de Maio, pelo ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes. O objectivo, explica, passa por "dispensar outros" veículos mais poluentes.


Segundo o governante, poderão beneficiar deste apoio sistemas intermunicipais em áreas como a gestão de resíduos, tratamento de águas ou gestão do ambiente.


A nova linha vem assim complementar um aviso lançado para as autarquias para a compra de veículos eléctricos. "Conseguimos garantir 20 milhões de euros de investimento e a aquisição de 300 novos veículos todos eles eléctricos", explicou.


Também com bastante procura está o programa ECO.mob, dirigido à administração pública, com cinco milhões de euros. Se o programa previa a compra de 170 veículos, as "candidaturas são quase de 400". 
Por isso mesmo, Matos Fernandes espera que a dotação do programa no próximo ano seja "mais generosa".

"Portugal está longe de poder orgulhar-se do que fez na mobilidade", defendeu o ministro à margem da apresentação do Plano de Eficiência e de Produção de Energia do grupo Águas de Portugal (ADP).


O governante elogiou a intenção da ADP em ter 100 veículos eléctricos na sua frota e criar 50 postos de carregamento espalhados por todo o país.


Recado a Donald Trump


No seu discurso, João Pedro Matos Fernandes enviou ainda um recado ao presidente norte-americano Donald Trump, juntando-se às vozes de António Guterres e do Papa Francisco sobre o acordo do clima.


"Se o senhor Trump agir mal – já não digo abandonar mas relaxar o compromisso com Paris – há inevitavelmente um prejuízo para todos nós", afirmou.


Para o ministro do Ambiente, o futuro da economia "só pode ser verde", daí que seja um "disparate económico" quem procura fugir a esta tendência, como Trump.


"Temos toda a consciência de que se não fizermos nada para a redução significativa dos gases de estufa, é já em 2036 que o Armageddon [fim do mundo] pode estar à nossa frente", acrescentou.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 31.05.2017

As economias têm tido governos que se preocupam em criar condições para que os motores para esses carros sejam lá desenvolvidos e produzidos, o governo socialista tuga preocupa-se em comprá-los, e desbarata o dinheiro todo logo com as primeiras versões, caras e menos eficientes. Tal e qual como foi com a geração de energias renováveis na era Sócrates de tão má memória.

comentários mais recentes
pertinaz 01.06.2017

OUTRA VEZ...???... ARRE...!!!

Anónimo 31.05.2017

As economias têm tido governos que se preocupam em criar condições para que os motores para esses carros sejam lá desenvolvidos e produzidos, o governo socialista tuga preocupa-se em comprá-los, e desbarata o dinheiro todo logo com as primeiras versões, caras e menos eficientes. Tal e qual como foi com a geração de energias renováveis na era Sócrates de tão má memória.

pub
pub
pub
pub