Transportes Governo terá plano para renovar frota da Transtejo/Soflusa este ano

Governo terá plano para renovar frota da Transtejo/Soflusa este ano

O secretário do Estado Adjunto e do Ambiente espera ter em Dezembro o estudo de viabilidade económica e financeira para a renovação da frota das empresas de transporte fluvial, que actualmente tem uma idade média superior a 20 anos.
Governo terá plano para renovar frota da Transtejo/Soflusa este ano
Bruno Simão/Negócios
Maria João Babo 08 de novembro de 2017 às 15:44

O secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, afirmou esta quarta-feira, 8 de Novembro, no Parlamento que espera ter no próximo mês o estudo de viabilidade económica e financeira para a renovação da frota da Transtejo/Soflusa, de forma que "até ao fim do ano haja um plano" para isso, "que permita viver de forma mais desafogada".

Lembrando que a idade média da frota das empresas de transporte fluvial ultrapassa os 20 anos, José Mendes afirmou, no âmbito da discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2018, que a sua renovação "custará sempre dezenas de milhões de euros".

Segundo o governante, a intenção é que "a frota seja mais homogénea e que seja suficientemente grande para ter navios de reserva", mas sublinhou que é "um processo que demora". Nesta fase, disse ainda, as empresas estão a operar nalgumas linhas praticamente sem navios de reserva.

Questionado pelos deputados sobre as falhas no cumprimento de carreiras, José Mendes confirmou que no próximo ano está previsto um investimento de oito milhões de euros para reparação de catamarãs e intervenções em terminais e pontões.

Em Outubro passado, a Soflusa teve de suprimir carreiras durante a hora de ponta, devido a situação de avaria dos navios. Na altura a administração das empresas de transporte fluvial apelou aos passageiros para evitarem as deslocações entre as 8:00 e as 9 horas.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub