Aviação Governo rejeita taxa de 20 cêntimos por bilhete de avião e garante segurança aérea

Governo rejeita taxa de 20 cêntimos por bilhete de avião e garante segurança aérea

O secretário de Estado das Infra-estruturas rejeitou a criação de uma taxa de 20 cêntimos por bilhete de avião, proposta pelo director do Gabinete de Prevenção e Acidentes com Aeronaves para resolver os problemas financeiros na entidade.
Governo rejeita taxa de 20 cêntimos por bilhete de avião e garante segurança aérea
Bruno Simão
Lusa 18 de Outubro de 2016 às 11:41

Em declarações à rádio TSF, Guilherme W. d'Oliveira Martins rejeitou a criação da taxa de 20 cêntimos, salientando que o Governo está "empenhado em investir no reforço dos meios de investigação, de prevenção e segurança".

 

"Mais do que criar taxas, o governo está empenhado em investir, em realizar despesa no reforço dos meios de investigação, de prevenção e segurança. Isto é mais importante. Não estamos a criar taxas adicionais para acorrer às necessidades de um organismo, mas num quadro maior de reforço na prevenção e segurança", explicou o secretário de Estado.

 

Oliveira Martins rejeitou assim que a prevenção e a segurança aérea esteja comprometida pela falta de meios financeiros do gabinete.

 

Em entrevista divulgada hoje na TSF, o director do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves (GPIAA), Álvaro Neves, queixou-se da situação financeira da entidade que dirige, admitindo que a prevenção e a investigação de acidentes aéreos podem ficar comprometidas se o problema não for resolvido.

 

"Estrangulado por um garrote até à inoperacionalidade", disse o responsável à TSF, explicando que a situação "complicou-se ainda mais" este ano.

 

Álvaro Neves considerou "urgente a criação de uma taxa de 20 cêntimos paga por bilhete de avião, fundamental para criar, também, um fundo de reserva para o Estado em caso de acidente grave".

 

Numa reacção às declarações de Álvaro Neves, o secretário de Estado das Infraestruturas rejeitou a criação da taxa e lembrou que nos últimos anos o Governo tem reforçado os meios de prevenção e segurança aérea.

 

"Nos últimos anos tem havido um reforço da segurança e na prevenção de acidentes, através da implementação de um programa integrado de segurança do Estado Português", disse.

 

Guilherme d'Oliveira Martins adiantou que em 2015 houve um aumento de auditorias aos operadores aéreos.

 

"Em 2015, aumentou em cerca de 44% [auditorias] e nas estruturas aeroportuárias 14%. No último ano, aumentaram também as inspecções a aeronaves estrangeiras. Foram 272 aeronaves inspeccionadas", precisou.

 

O secretário de Estado lembrou ainda que foi também garantida a permanência em cabine de dois tripulantes também como medida de segurança e prevenção.

 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

Pois claro que não!

Preferem TAXAS sobre quem não utiliza o avião!

A incoerência destes geringonças é absolutamente vergonhosa e constrangedora!

Já a chukisse* da contribuição AUDIO-VISUAL para a RTPê derreter em fuitibóis, touradas e programas medíocres...

pub
pub
pub
pub