Telecomunicações Granadeiro desmentido sobre dinheiro do GES
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Granadeiro desmentido sobre dinheiro do GES

O Ministério Público não compra a tese de que o GES transferiu dinheiro para Granadeiro pela compra de 30% da sociedade que detém a Herdade do Vale de Rico Homem. A investigação não encontrou provas de que a venda tenha sido consumada.
Granadeiro desmentido sobre dinheiro do GES
Record

O Ministério Público desmontou, no âmbito da Operação Marquês, a explicação de Henrique Granadeiro para o recebimento de parte do dinheiro da ES Enterprises. E, depois de várias diligê)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 04.09.2017

Por exemplo, os 2200 excedentários que não têm as competências dos 100 que entrarão na CGD por ano até ao fim desta década, podiam oferecer o seu trabalho a outros empregadores e ir apanhar fruta. Os que entrarem na CGD terão competências nas áreas emergentes e necessárias que vão da ciência de dados e análise de dados à programação informática, tecnologia blockchain e cibersegurança. Os excedentários protegidos pela lei laboral anacrónica e máfias sindicais têm competências inúteis ou desnecessárias para o empregador CGD nas áreas da contabilidade, jurisprudência, secretariado, relações públicas e operação de caixa. Chama-se a isto gestão de recursos humanos e é prática corrente nas economias mais desenvolvidas desde há pelo menos 20 anos. Em Portugal é preciso deixar as organizações falir, mendigar subsídios e resgates estatais, pilhar e extorquir o concidadão e depois ser obrigado pela União Europeia a cair na realidade e tomar medidas sob pressão externa.

comentários mais recentes
POR UMA QUESTÃO DO COERÊNCIA, DEMITA-SE, SRA. PGR 04.09.2017

Nunca, em tempo nenhum, os criminosos de colarinho branco medraram tanto, foram tão bem sucedidos nos seus roubos e com tanta impunidade do que com a actual PROCURADORA-GERAL DA REPÚBLICA, para mais, paga com o nosso dinheiro.
A Dra. MARIA JOSÉ MORGADO É UMA HIPÓTESE PARA SUPRIR ESTA VERGONHA.

País da impunidade criminosa com a actual PGR 04.09.2017

Dois criminosos de colarinho branco, sendo que o Salgado é o canalha / ladrão / cobarde-mor de todos
Porquê ?
Pq actuou, pela calada, traindo a confiança depositada, roubando poupanças de uma vida a milhares de vidas e famílias.
Na minha opinião teria direita a uma oferta : 100 gramas de chumbo.

Mr.Tuga 04.09.2017

Enfim....
TugaLândia ATRASADA e POBRETANAS e IMBECILIZADA e BRONCA e MAL FORMADA no seu melhor....

Em qualquer "pais a sério" já o assunto estava concluído e estes "crânios XEO`s" principescamente pagos PRESOS!
Por cá continuam a vidinha de LUXO nas suas herdades....

Anónimo 04.09.2017

Por exemplo, os 2200 excedentários que não têm as competências dos 100 que entrarão na CGD por ano até ao fim desta década, podiam oferecer o seu trabalho a outros empregadores e ir apanhar fruta. Os que entrarem na CGD terão competências nas áreas emergentes e necessárias que vão da ciência de dados e análise de dados à programação informática, tecnologia blockchain e cibersegurança. Os excedentários protegidos pela lei laboral anacrónica e máfias sindicais têm competências inúteis ou desnecessárias para o empregador CGD nas áreas da contabilidade, jurisprudência, secretariado, relações públicas e operação de caixa. Chama-se a isto gestão de recursos humanos e é prática corrente nas economias mais desenvolvidas desde há pelo menos 20 anos. Em Portugal é preciso deixar as organizações falir, mendigar subsídios e resgates estatais, pilhar e extorquir o concidadão e depois ser obrigado pela União Europeia a cair na realidade e tomar medidas sob pressão externa.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub