Telecomunicações Granadeiro desmentido sobre dinheiro do GES
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Granadeiro desmentido sobre dinheiro do GES

O Ministério Público não compra a tese de que o GES transferiu dinheiro para Granadeiro pela compra de 30% da sociedade que detém a Herdade do Vale de Rico Homem. A investigação não encontrou provas de que a venda tenha sido consumada.
Granadeiro desmentido sobre dinheiro do GES
Record

O Ministério Público desmontou, no âmbito da Operação Marquês, a explicação de Henrique Granadeiro para o recebimento de parte do dinheiro da ES Enterprises. E, depois de várias diligê)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Por exemplo, os 2200 excedentários que não têm as competências dos 100 que entrarão na CGD por ano até ao fim desta década, podiam oferecer o seu trabalho a outros empregadores e ir apanhar fruta. Os que entrarem na CGD terão competências nas áreas emergentes e necessárias que vão da ciência de dados e análise de dados à programação informática, tecnologia blockchain e cibersegurança. Os excedentários protegidos pela lei laboral anacrónica e máfias sindicais têm competências inúteis ou desnecessárias para o empregador CGD nas áreas da contabilidade, jurisprudência, secretariado, relações públicas e operação de caixa. Chama-se a isto gestão de recursos humanos e é prática corrente nas economias mais desenvolvidas desde há pelo menos 20 anos. Em Portugal é preciso deixar as organizações falir, mendigar subsídios e resgates estatais, pilhar e extorquir o concidadão e depois ser obrigado pela União Europeia a cair na realidade e tomar medidas sob pressão externa.

comentários mais recentes
POR UMA QUESTÃO DO COERÊNCIA, DEMITA-SE, SRA. PGR Há 2 semanas

Nunca, em tempo nenhum, os criminosos de colarinho branco medraram tanto, foram tão bem sucedidos nos seus roubos e com tanta impunidade do que com a actual PROCURADORA-GERAL DA REPÚBLICA, para mais, paga com o nosso dinheiro.
A Dra. MARIA JOSÉ MORGADO É UMA HIPÓTESE PARA SUPRIR ESTA VERGONHA.

País da impunidade criminosa com a actual PGR Há 2 semanas

Dois criminosos de colarinho branco, sendo que o Salgado é o canalha / ladrão / cobarde-mor de todos
Porquê ?
Pq actuou, pela calada, traindo a confiança depositada, roubando poupanças de uma vida a milhares de vidas e famílias.
Na minha opinião teria direita a uma oferta : 100 gramas de chumbo.

Mr.Tuga Há 2 semanas

Enfim....
TugaLândia ATRASADA e POBRETANAS e IMBECILIZADA e BRONCA e MAL FORMADA no seu melhor....

Em qualquer "pais a sério" já o assunto estava concluído e estes "crânios XEO`s" principescamente pagos PRESOS!
Por cá continuam a vidinha de LUXO nas suas herdades....

Anónimo Há 2 semanas

Por exemplo, os 2200 excedentários que não têm as competências dos 100 que entrarão na CGD por ano até ao fim desta década, podiam oferecer o seu trabalho a outros empregadores e ir apanhar fruta. Os que entrarem na CGD terão competências nas áreas emergentes e necessárias que vão da ciência de dados e análise de dados à programação informática, tecnologia blockchain e cibersegurança. Os excedentários protegidos pela lei laboral anacrónica e máfias sindicais têm competências inúteis ou desnecessárias para o empregador CGD nas áreas da contabilidade, jurisprudência, secretariado, relações públicas e operação de caixa. Chama-se a isto gestão de recursos humanos e é prática corrente nas economias mais desenvolvidas desde há pelo menos 20 anos. Em Portugal é preciso deixar as organizações falir, mendigar subsídios e resgates estatais, pilhar e extorquir o concidadão e depois ser obrigado pela União Europeia a cair na realidade e tomar medidas sob pressão externa.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub