Banca & Finanças Grandes accionistas do BCP estendem passadeira à Fosun
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Grandes accionistas do BCP estendem passadeira à Fosun

Os quatro maiores accionistas do BCP propõem o aumento do limite de votos e dos membros da administração exigido pela Fosun. Sonangol, Sabadell, EDP e InterOceânico estendem a passadeira do banco ao grupo chinês.
Grandes accionistas do BCP estendem passadeira à Fosun
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Gago 18 de outubro de 2016 às 00:01

Os quatro maiores accionistas do BCP estenderam a passadeira para que o grupo chinês Fosun entre no capital do banco, ao tomarem a iniciativa de propor o aumento do limite de votos na instituição dos actuais 20% para 30%. Esta alteraç)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Joao22 Há 1 dia

Que dizer, como pequeno acionista não vejo melhor solução apesar de me entristecer esta entrada, mas melhor vivo que morto.

comentários mais recentes
Anónimo Há 21 horas


Os ladrões de esquerda

PS ROUBA OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


A realidade escondida do défice estrutural no financiamento das pensões da FP (CGA).

Em 2015, as quotas pagas pelos trabalhadores e as contribuições das entidades empregadoras públicas cobriram apenas 38% das despesas com pensões da CGA.

Nesse ano, o Estado contribuiu através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) com mais de 4,6 mil milhões de euros para assegurar o financiamento das pensões da CGA.

Conclusão: Os trabalhadores do privado estão fartos de pagar impostos cada vez mais altos para suportar os privilégios desta malta, que gosta de ser sustentada pelos outros.

J. SILVA Há 1 dia

De facto, como refere JGG, não se compreende o pretenso " haraquiri " dos 4 accionistas minoritários (o bando dos 4), que só pode ser simulado , com fundamento em acordos parassociais promíscuos que deveriam ser investigados, já que doutro modo não se entende esta negociata.

Anónimo Há 1 dia


Os ladrões de esquerda

O VERDADEIRO CRIME ORGANIZADO


GOLPE DE ESTADO na sociedade portuguesa, marcado por COSTA LADRÃO… para dia 1 de Julho de 2016.

A FP volta às 35 horas, salários altos e muitas outras benesses...

enquanto os privados trabalham 40, com salários muito mais baixos, e ainda tem que pagar impostos cada vez mais altos para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.


JCG Há 1 dia

Não foi o BCP que passou com aprovação nos testes de stresse do BCE no ano passado concluindo-se que tinha capital suficiente para resistir a situações extremas?

De facto, há aqui algo de estranho. Não percebo esta insistência do Amado em meter os/ entregar aos chineses o banco à custa dos atuais acionistas a não ser a sua eventual propensão para pequeno capataz/ burocrata subordinado e eventual acordo particular que tenha feito com os chineses para lhe darem um bónus farto e gordo para a reforma. A ele e a mais uma corja de rapaziada que por lá anda a mamar - não é só Amado que constitui a administração e outros órgãos sociais do BCP - alguns desses rapazes de extração/ designação socratina.

O Governador do Banco de Portugal e a CMVM têm uma última oportunidade para justificar minimamente as mordomias que lhes pagamos e os custos da indigência em casos anteriores: parem com essa trapalhada BCP, demitam imediatamente a administração, investiguem a situação e procurem pessoas mais competentes e íntegras para gerir o banco.

No mínimo apliquem a lei e exijam o seu cumprimento. 27,5% do K não pode ter a possibilidade de tomar decisões sobre o banco que prejudicam os restantes acionistas.

Se é mesmo necessário um aumento de K, que se faça nas condições normais e legais.

A venda ao desbarato de empresas relevantes nacionais a chineses - Estado chinês e certamente "príncipes do regime" - vai-nos custar caríssimo. Tem de ser travada imediatamente.




ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub