Aviação Greve dos trabalhadores da segurança e assistência nos aeroportos entre Natal e Ano Novo

Greve dos trabalhadores da segurança e assistência nos aeroportos entre Natal e Ano Novo

Os trabalhadores da Groundforce e da Portway estão em greve de 28 a 30 de Dezembro, em simultâneo com os trabalhadores da segurança, o que poderá causar perturbações nos aeroportos portugueses entre o Natal e o Ano Novo.
Greve dos trabalhadores da segurança e assistência nos aeroportos entre Natal e Ano Novo
Correio da Manhã
Lusa 13 de dezembro de 2016 às 23:46

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) emitiu pré-avisos de greve das 00:00 horas do dia 28 de Dezembro às 24:00 de 30 de Dezembro de 2016 para a Groundforce e para a Portway, as duas principais empresas que fazem a assistência de pessoas e bagagem nos aeroportos nacionais.

 

"Esta paralisação é na defesa dos trabalhadores, das empresas e do sector, mas também do turismo e da economia nacional", justifica o Sitava nos pré-avisos de greve, apontando o dedo à Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), que acusa de ser responsável pelo "licenciamento ilegal da operação Ryanair/Groundlink" e pelo impasse que se vive na TAP.

 

Já na semana passada, o Sitava convocou uma greve dos trabalhadores da segurança nos aeroportos, das empresas Prosegur e Securitas, de 27 e 29 de Dezembro, por não ter sido alcançado um acordo sobre o novo Contrato Colectivo de Trabalho com a Associação de Empresas de Segurança.

 

Os trabalhadores das empresas Prosegur e Securitas são quem assegura o raio-x da bagagem de mão e o controlo dos passageiros e também dos trabalhadores do aeroporto, pelo que uma greve poderá ter impacto no tráfego aeroportuário, sobretudo durante esta época festiva.

 

Entretanto, foi também convocada uma greve na Groundforce para 24 de Dezembro, véspera de Natal, pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC).

 

Questionado pela Lusa sobre o impacto destas três greves, fonte oficial da ANA - Aeroportos de Portugal disse que "a empresa está atenta, acompanha a situação e tudo fará para minimizar os problemas que possam vir a ocorrer". 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub