Telecomunicações Grupo de 60 personalidades pede à AR que tente "travar a Altice"

Grupo de 60 personalidades pede à AR que tente "travar a Altice"

Um grupo de 60 personalidades, entre as quais jornalistas, advogados e deputados, lançaram hoje uma petição alegando ser "necessário travar" a empresa de telecomunicações Altice, e querem recolher mais assinaturas para levar o caso à Assembleia da República.
Grupo de 60 personalidades pede à AR que tente "travar a Altice"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 09 de janeiro de 2018 às 13:14

Em comunicado, estes primeiros signatários da petição "É necessário travar a Altice", explicam que pretendem "travar as ilegalidades e o despedimento de centenas de trabalhadores, promover a retoma do controlo público da PT [Meo, comprada há três anos pela Altice]".

 

Ao mesmo tempo, querem "impedir a aquisição pela Altice do grupo Media Capital, reverter a situação, que afecta os jornalistas e outros trabalhadores da comunicação social, vetar a criação de um conglomerado com uma posição de domínio na televisão, rádio, produção de conteúdos, telecomunicações e internet".

 

"O objectivo é entregar na Assembleia da República as assinaturas necessárias para obrigar à respectiva discussão e, simultaneamente, promover na opinião pública e nas forças políticas a consciência de que é necessário travar", adiantam.

 

Entre os subscritores estão o antigo presidente do Sindicato dos Jornalistas Alfredo Maia, o economista Carlos Carvalhas, a representante do Conselho de Opinião da RTP Deolinda Machado, a actriz Fernanda Lapa, os jornalistas Fernando Valdez e José António Cerejo, os advogados Helena Casqueiro e José Amaro, as deputadas Diana Ferreira e Rita Rato (ambos do PCP) e ainda os jornalistas e docentes universitários Carlos Camponez e Fernando Correia, entre outras personalidades.

 

A Altice, que comprou há dois anos a PT Portugal por cerca de sete mil milhões de euros, anunciou em Julho que chegou a acordo com a espanhola Prisa para a compra da Media Capital, dona da TVI, entre outros meios.

 

Porém, foram várias as entidades que se opuseram ao negócio, incluindo partidos, empresas de telecomunicações e grupos de meios de comunicação social, com a Impresa e a Sonae (dona do jornal Público) a serem as mais contundentes.

 

O negócio teve parecer negativo da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) e o mercado ficou, então, a aguardar o parecer da ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, considerado pela AdC como vinculativo.

 

Este parecer acabou por ser conhecido em Outubro e gerou várias críticas já que os três membros do Conselho Regulador da ERC não chegaram a acordo sobre a proposta de compra.

 

O processo passou para a alçada da AdC, esperando-se desenvolvimentos no início deste ano.

 

Hoje, a Altice anunciou a separação das actividades nos Estados Unidos e na Europa por motivos de "transparência", mas as duas empresas continuam sob o controlo do bilionário francês Patrick Drahi.

 

As duas novas entidades passam a ter as designações Altice Europe que reúne a Portugal Telecom, Telecom, BFM e as publicações francesas Libération e LÉxpress, entre outras empresas, e Altice USA, que integra as operadoras de cabo Suddenlink e Cablevision (Optium).

 

Por sua vez, a Altice Europe vai reestruturar-se em várias unidades como Altice France, Altice International e uma nova filial com a designação Altice Pay TV.

 

Entretanto, nos últimos meses, a Altice/PT tem sido alvo de protestos por motivos laborais.

 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
anon 13.01.2018

Qual iniciativa privada seu grande monte de esterco, comprar a TVI para vender os activos as péças com aconteceu a 2 empresas ja e esta a contecer a 3a? em que é que isso benificia a economia ou a sociedade portuguesa?

Opinativo 10.01.2018

A ESQUERDALHA, mais uma vez a METER O BEDELHO, para fazer o mesmo que já com com a PT. Destruição da iniciativa privada. QUEREM CONTROLAR TODA A COMUNICAÇÃO SOCIAL. País de MERDA.

Luis 09.01.2018

O Estado quer de volta, depois das comissões, e os privados compram mas querem compromisso do Estado. Nem o Estado, nem as empresas deviam mandar nas pessoas. As empresas deviam ser livres e levarem multas como nos EUA. Contratei 20 Mb, só dá 15? Paga 100 mil, empresa vigarista e gatuna.

Anónimo 09.01.2018

E é este um País democrático. Quando temos um primeiro ministro a atirar-se a empresas privadas por não lhe fazerem a vontade, eis que temos os comunistas saudosos dos seus tachos nas empresas públicas, a pedirem a reversão da PT e dos CTT.
o Sr. da Sonae que chula os fornecedores até à medula, chegando muitos a abrir falência, vem agora como virgem arrependida dizer que se o negócio for para a frente, não se admirar nada que daqui a 10 anos tenhamos o mesmo problema que tivemos com a PT.
tenham vergonha.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub