Transportes Grupo britânico quer 100% da Barraqueiro

Grupo britânico quer 100% da Barraqueiro

O semanário Expresso noticia este sábado que o grupo britânico Arriva, que opera no sector dos transportes, fez uma proposta para a aquisição da totalidade do grupo presidido por Humberto Pedrosa.
Grupo britânico quer 100% da Barraqueiro
Negócios 15 de Outubro de 2016 às 11:35

Segundo avança este sábado, 15 de Outubro, o semanário Expresso, a britânica Arriva pretende controlar 100% do grupo português Barraqueiro, onde aquele grupo britânico já detém 31,5%.

 

Em declarações ao Expresso, Humberto Pedrosa, presidente da Barraqueiro, confirmou ter recebido da parte de David Martin, presidente executivo da Arriva, a manifestação de que este grupo britânico, que também opera no sector dos transportes, pretende reforçar a participação detida no grupo português, podendo ir mesmo até aos 100%.

 

No entanto, explicou Humberto Pedrosa, não há ainda quaisquer prazos para a apresentação da proposta ou conclusão deste negócio, embora o líder da Barraqueiro adiante desde já não pretender alienar a totalidade do capital do grupo português.

 

"Não houve qualquer desenvolvimento nestas conversas, além de que eu não estou interessado num cenário de venda da totalidade do capital da Barraqueiro", disse ao Expresso sem, contudo, colocar de parte a possibilidade de o grupo britânico reforçar a presença na Barraqueiro.

 

Pedrosa referiu-se ainda elogiosamente à parceira detida com aquele grupo britânico, detido a 100% pela empresa estatal alemã Deutsche Bahn, dizendo que "temos muitos projectos em comum e em todos eles a Arriva tem sido um bom parceiro, além de que eles sabem que os nossos projectos internacionais estão com um desenvolvimento muito positivo".

 

O Expresso recorda ainda que o grupo Barraqueiro registou lucros de 4,93 milhões de euros em 2014 e de 4,82 milhões no ano transacto. A Atlantic Gateway, um consórcio entre a Barraqueiro e a operadora aérea Azul, detém – faltando ainda a implementação do acordo alcançado com o Estado português que prevê a alienação de acções da TAP à Parpública – 45% do capital social da TAP.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

A economia de tipo colonial avança a olhos vistos e não se vêem medidads que nos protejam de tanta manipulação... Até quando tudo isto será suportável?

Ciifrão Há 3 semanas

Uma empresa britânica detida a 100% por uma empresa alemã quer 100% de uma empresa portuguesa, a isto deve chamar-se globalização, suponho.

Eduardo Pires Há 3 semanas

Tendo em conta que o "Barraqueiro" já nem as espias da barraca são suas, esta venda era mais que esperada.

pub