Turismo & Lazer Guiné-Bissau procura investidores portugueses no turismo

Guiné-Bissau procura investidores portugueses no turismo

Depois de a TAP ter retomado as ligações para a Guiné-Bissau, o país africano tem como meta captar investidores portugueses. A primeira abordagem acabou por "cair" com a mudança de Governo em Portugal.
Guiné-Bissau procura investidores portugueses no turismo
Colleen Taugher
Wilson Ledo 10 de dezembro de 2016 às 13:59

A Guiné-Bissau está à procura de investimento português para desenvolver o seu turismo. A vontade foi demonstrada este sábado, 10 de Dezembro, pelo director de promoção turística daquele país africano.

 

Juliano Nunes, num encontro com jornalistas à margem do 42º Congresso da Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo (APAVT) em Aveiro, admitiu que com a mudança de Governo em Portugal as negociações nesse sentido "caíram".

 

Já houve inclusive tentativas com o grupo Pestana, a maior cadeia hoteleira portuguesa. A Guiné-Bissau tem como objectivo chegar às mil camas já no próximo ano, impulsionada pelo investimento espanhol que tem existido no país.

 

"Apesar de tudo, está a haver muito investimento, mas nenhum português", informou Juliano Nunes. A estabilidade do câmbio e a isenção de impostos durante 10 anos para as empresas que ali se instalem foram destacadas como factores de atractividade.

 

A Guiné-Bissau recebe cerca de 30 mil turistas por ano só por via aérea, informou. A vontade passa por despertar a atenção para o arquipélago dos Bijagós, o arquipélago com 88 milhas classificado como reserva da biodiversidade pela UNESCO, em feiras de turismo em Portugal.

 

No início deste mês de Dezembro, a companhia aérea TAP retomou as suas ligações para a Guiné-Bissau. Os viajantes portugueses podem também chegar àquele país através da Euroatlantic.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub