Banca & Finanças Há mais uma empresa do GES em insolvência no Luxemburgo: Espírito Santo Industrial

Há mais uma empresa do GES em insolvência no Luxemburgo: Espírito Santo Industrial

Há três sociedades do Grupo Espírito Santo com a designação Espírito Santo Industrial. A que tem a sede no Luxemburgo encontra-se em insolvência. José Castella, o "controller financeiro" do grupo, era o presidente.
Há mais uma empresa do GES em insolvência no Luxemburgo: Espírito Santo Industrial
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 08 de abril de 2017 às 10:00

Espírito Santo Industrial SA – Esta é a nova empresa do Grupo Espírito Santo que está em insolvência no Luxemburgo, onde estão também em fim de vida as principais "holdings" do conglomerado que tinha em Ricardo Salgado o principal rosto.

 

A Espírito Santo Industrial SA foi adicionada ao site das insolvências do GES que ocorrem no grão-ducado, juntando-se à Espírito Santo Control, Espírito Santo International, Rioforte, Espírito Santo Financial Group e Espírito Santo Financière.

 

São poucos os pormenores avançados por Laurent Fisch, o nome identificado como curador da insolvência. A data em que a Espírito Santo Industrial deixou de conseguir assumir pagamentos foi fixada em 17 de Setembro de 2017. As reclamações de créditos devem ser feita para o tribunal do comércio do Luxemburgo até 27 de Março.

 

Em causa está a Espírito Santo Industrial SA, com sede no Luxemburgo, cuja constituição remonta aos primeiros anos da década de 90.

 

Três Espírito Santo Industrial

 

Mas no GES havia outras duas empresas com que partilhava o nome: a Espírito Santo Industrial (Portugal) SGPS SA, que tinha a sede na Rua de São Bernardo, na Lapa, em Lisboa, onde estava localizada a sede do grupo; e a Espírito Santo Industrial (BVI) SA, que tem sede no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas e que foi constituída em 1993, segundo a inscrição nos Panamá Papers. Segundo essa mesma página, a Espírito Santo Industrial SA, do Luxemburgo, é a accionista da Espírito Santo Industrial (BVI).

 

José Castella, que era o responsável por observar a contabilidade do Grupo Espírito Santo ("controller" financeiro) com quem trabalhava desde 1986, era, pelo menos em 2011, o "chairman" das três empresas Espírito Santo Industrial, segundo um comunicado do Espírito Santo Financial Group à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Em 2008, segundo um outro documento da mesma empresa, o presidente era Manuel Fernando Espírito Santo, primo de Ricardo Salgado e que fazia parte da cúpula do Grupo Espírito Santo.

 

Os mesmos dois gestores estiveram na gestão da Espírito Santo Industrial (Portugal). De acordo com entradas no Portal de Justiça, Castella era o seu presidente até 2014, ano em que renunciou, tendo Manuel Fernando Espírito Santo assumido aquele cargo. Esta empresa lisboeta era, segundo o organigrama feito pela deputada Mariana Mortágua no âmbito da comissão de inquérito ao Grupo Espírito Santo, uma empresa detida a 100% pela Rioforte e que dominava 43,3% da Espírito Santo Irmãos, uma sociedade em insolvência em Portugal.

 

No campo das insolvências do GES no Luxemburgo, até Dezembro, foram reclamados 4,9 mil milhões à ESI, 3,2 mil milhões à Rioforte, e 69,6 milhões à ES Control, num total de 8,2 mil milhões. Os bens depositados actualmente pelos curadores representam entre 3% e 4% do total reclamado. Não há dados globais sobre a ESFG e a Esfil.


A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado joaoaviador 08.04.2017

Enquanto alguns jornalistas lhe puserem o microfone à frente, vai continuar a arrotar postas de pescada e não vai para a prisão enquanto tiver o aprendiz de aldrabão a dizer-lhe como é. Infeliz pátria que tais filhos tem!

comentários mais recentes
pertinaz 08.04.2017

BEM HAJAS PASSOS COELHO !!!

Dono dos Burros 08.04.2017

Usando uma imagem futebolística: A Culpa é do 25A e do Vasco Gonçalves, esses malandros que vivem do que não lhes pertence. O mercado do Cavaco e do Sóares e a boa gestão do Dias Loureiro nunca chegariam a este ponto. Privatizem-se os prejuízos que os lucros esses serão sempre privados.

socrates + salgado = saquinho AZUL 08.04.2017

socrates + salgado = TRAMPA ( malcheitrosa )

joaoaviador 08.04.2017

Enquanto alguns jornalistas lhe puserem o microfone à frente, vai continuar a arrotar postas de pescada e não vai para a prisão enquanto tiver o aprendiz de aldrabão a dizer-lhe como é. Infeliz pátria que tais filhos tem!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub