Construção Haitong: Novo aeroporto pode levar Mota-Engil a adiar venda da Lusoponte

Haitong: Novo aeroporto pode levar Mota-Engil a adiar venda da Lusoponte

O banco de investimento dá conta, numa apresentação publicada esta terça-feira, 17 de Janeiro, que a construtora poderá adiar a venda da concessão das pontes sobre o Tejo, que não esteve incluída nos activos da Ascendi alienados em Agosto.
Haitong: Novo aeroporto pode levar Mota-Engil a adiar venda da Lusoponte
Bruno Simão
Alexandra Noronha 17 de janeiro de 2017 às 13:22

A construção de um novo aeroporto em Lisboa, uma obra que o actual Governo quer iniciar em 2019 e que poderá ser localizado no Montijo, poderá levar ao adiamento da venda da posição da Mota-Engil na Lusoponte.

A Haitong (antigo BESI) refere numa apresentação que o grupo construtor pondera não avançar com a venda das concessões sobre o Tejo no âmbito da alienação da Ascendi, que a construtora liderada por Moura Martins (na foto) detinha em conjunto com o Novo Banco. A Ascendi e a Mota fecharam a venda de vários activos da Ascendi em Agosto do ano passado, ao fundo Ardian, por cerca de 600 milhões de euros, mas a Lusoponte ficou excluída, como o Negócios noticiou na altura.


"A Mota-Engil diz que é possível que a venda da Lusoponte seja adiada e isto poderá estar relacionado com a potencial decisão sobre o novo aeroporto de Lisboa. Recordamos que se um aeroporto adicional (para operadores low cost) for construído na margem sul do Tejo, o tráfego das pontes que estão na concessão da Lusoponte iria provavelmente aumentar e o valor da concessão também", salienta o mesmo documento, que foi resultado da conferência ibérica da Haitong.

Contactada pelo Negócios, a Mota-Engil, liderada por Gonçalo Moura Martins (na foto) não quis comentar este relatório, recordando apenas que "não esteve equacionada nas negociações [de venda da Ascendi] a alienação da participação na Lusoponte onde somos um accionista de referência".


O mesmo documento refere que "o recebimento de dividendos da venda de uma parte da Ascendi deverá ocorrer este mês".


A Ascendi foi criada para agregar as participações da Mota e do grupo Espírito Santo (agora Novo Banco) na área das concessões de infra-estruturas de transporte, prestação de serviços de operação e manutenção e de serviços de cobrança de portagens. A sociedade detém 38,02% da Lusoponte.

As acções da Mota-Engil caem 1,31% para 1,58 euros.

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
mariocms 17.01.2017

Esperamos todos que esta sociedade não tenha sido favorecida com o dinheirinho do POVO !!!!!!!!
Que houve um político que teve funções que só as desempenhou por ter muitos conhecimentos, é verdade. QUEM FOI O ARTISTA?

pub