Research Haitong prevê que taxa extraordinária sobre a energia perdure até 2019

Haitong prevê que taxa extraordinária sobre a energia perdure até 2019

O banco de investimento considera que a extensão da CESE para 2017 será neutral para a EDP, Galp e REN, isto porque antecipa que as energéticas continuem a pagar a taxa extraordinária até 2019.
Haitong prevê que taxa extraordinária sobre a energia perdure até 2019
Sara Antunes 17 de Outubro de 2016 às 11:26

O Orçamento do Estado para 2017 mantém a Contribuição Extraordinária sobre o Sector Energético (CESE), antecipando uma cobrança de 90 milhões de euros à EDP, Galp e REN no próximo ano.

 

O Haitong considera que esta decisão é "neutral" para as energéticas, uma vez que os analistas estão a incorporar na avaliação da EDP, REN e Galp "esta taxa até 2019", de acordo com uma nota de análise publicada esta segunda-feira, 17 de Outubro, a que o Negócios teve acesso.

 

"A nossa opinião é de que a taxa será removida quando as condições orçamentais aliviarem", acrescentam os mesmos analistas, que recordam que a CESE foi implementada em 2014 como uma taxa que seria aplicada apenas naquele ano, mas foi prolongada a 215, 2016 e agora a 2017.

Já a EDP Renováveis beneficia do facto deter sido confirmado que a CESE não será alargada às renováveis, contudo, alertam, este factor positivo pode ser ofuscado pela reversão de compensações antigas no segmento das renováveis.

 

Os analistas do Haitong salientam que "há muita incerteza" em torno desta questão, mas extrapolando, o impacto deverá ser de uma só vez e a rondar os 20 milhões de euros. O que "é melhor" do que os 15 milhões de euros estimados de CESE, já que se poderia repetir ao longo dos anos, à semelhança do que acontece com a EDP, REN e Galp.

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

comentários mais recentes
JCG Há 3 semanas

Haitong?

Isto é um indício da infeatação chinesa: compram empresas portuguesas que operam em Portugal e depois achinezam-lhes os nomes. Acho que empresas portuguesas, ainda que com acionistas estrangeiros, deviam ter nomes em português.

Por este abdar, dentro de 3 ou 4 gerações o português fará parte da arqueologia.




Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

pub
pub
pub
pub