Energia Harvey faz disparar preços do combustíveis nos EUA para máximos de dois anos

Harvey faz disparar preços do combustíveis nos EUA para máximos de dois anos

As autoridades apelam para que os consumidores não acumulem combustível, o que só aumentará a sua escassez. Várias refinarias começaram entretanto a repor capacidade.
Harvey faz disparar preços do combustíveis nos EUA para máximos de dois anos
Reuters
Negócios 02 de setembro de 2017 às 18:55
Os preços dos combustíveis nos postos norte-americanos estão no valor mais elevado em dois anos, consequência do impacto do furacão Harvey na capacidade refinadora do país, em grande parte concentrada no Texas.

O valor do galão de gasolina ascende a 2,59 dólares (cerca de 1,23 euros por litro, segundo conversão e à cotação actual), 10% acima da semana anterior à chegada do furacão, colocando o preço no valor mais elevado desde Agosto de 2015.

Segundo o Financial Times, há muitos locais do Texas onde os consumidores estão a acorrer em massa às bombas de gasolina, apesar de algumas instalações de refinação já terem recomeçado a laborar e dos apelos das autoridades para que não acumulem combustíveis, o que aumentará ainda mais a escassez.

Dez refinarias, com uma capacidade para processar cerca de 2,9 milhões de barris de petróleo por dia, encontram-se ainda encerradas. Estas unidades representam cerca de 16% da capacidade total de refinação dos EUA.

Além da interrupção no processamento, há também alguns oleodutos que estão impedidos de funcionar, como o que liga o Texas a New Jersey. Na frente da produção, o FT refere que o Harvey obrigou a parar a extracção de 700 mil barris por dia no Sul do Texas.

Também em Portugal o efeito Harvey se fez sentir: a partir de segunda-feira a gasolina pode subir mais de três cêntimos, dado o contágio à Europa do impacto daquele fenómeno nos mercados de combustíveis.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub