Telecomunicações "Hedge fund" de milionário diminui na Pharol

"Hedge fund" de milionário diminui na Pharol

O "hedge fund" Renaissance Technologies diminuiu a sua participação na Pharol. Em dois dias - 22 e 23 de Maio - a ex-PT SGPS vê dois accionistas reduzirem posição.
"Hedge fund" de milionário diminui na Pharol
Bruno Simão
Alexandra Machado 24 de maio de 2017 às 13:07
O hedge fund norte-americano Renaissance Techonologies reduziu a sua posição na Pharol, uma participação que detinha através de instrumentos financeiros, e que não lhe davam qualquer direito de voto.

O Renaissance Technologies comunicou ao mercado que reduziu a sua posição na Pharol de 2,14%, que tinha estabelecido em Janeiro, para uma posição inferior a 2%, deixando, por isso, de ter uma participação qualificada. Depois de vendas a 22 de Maio, ficou com 1,97% da Pharol.

A Renaissance Technologies actua como gestora de investimentos para empresas controladas, explica em comunicado. O fundo foi fundado em 1982 por James Simons, um matemático, que aplica modelos quantitativos para os investimentos. De acordo com a Bloomberg, a fortuna de Simons está avaliada em 15,7 mil milhões de dólares.

Este "hedge fund" tem um dos mais rentáveis fundos de investimento - Medallion fund – que a Bloomberg diz "provavelmente a máquina de dinheiro mais bem sucedida do mundo". Não tornou apenas James Simons milionário, como os outros elementos do fundo.

Se a diminuição da posição do Renaissance aconteceu a 22 de Maio, foi no dia seguinte que a Pharol viu passar fora de bolsa toda a posição que o BCP detinha na empresa liderada por Luís Palha da Silva. O BCP detinha 6,17% da PT e vendeu a totalidade da participaçãoposição do BCP tinha sido construída em Agosto de 2015 pela execução de garantias dadas pela Ongoing em créditos que tinham sido concedidos pelo banco.

Nessa altura, em 2015, a participação de 6,17% da Pharol estava avaliada, a preços de mercado, em 15,3 milhões de euros. Esta terça-feira, tendo em conta a cotação actual, uma posição de 6,17% vale 13,9 milhões de euros. Ainda não se sabe quem foi o comprador da participação que era do BCP.

O banco agora liderado por Nuno Amado reentrou na Pharol, mas já tinha estado como um dos principais accionistas da PT. Só que no início dos anos 2000, o BCP estava ainda na estrutura accionista da PT, da qual saiu depois do banco, à época liderado por Jardim Gonçalves, ter feito uma parceria com a EDP para a nova economia, como se designavam então os negócios de tecnologias, e que levaria à constituição da Oni. Com essa estratégia, o BCP acabou por sair da PT. Agora, aconteceu uma segunda saída.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Porquê? 24.05.2017

o interessante mesmo, era que o negocios fosse capaz de identificar quem é que está a comprar estas acções no mercado secundário. Metade desta noticia é copia da noticia de ontem do BCP que por sinal, no meu ponto de vista, é um grande vazio de noticia em termos de conteudo porque escrevem, escrevem, escrevem mas pouco dizem de relevante.

comentários mais recentes
Anónimo 25.05.2017

Ninguem quer lixo toxico. A unica coisa certa é que isto vai para o fundo. Saiam todos enquanto é tempo.

Pharol 24.05.2017

De fato a noticia nada diz... alguns dos comentários aqui expostos é bom nem falar... uma mão cheia de nada... o que é certo é que alguém está a ficar com estes títulos, isso sim é uma certeza. Tb é certo que muitos investidores tomam posições na OI. Tb é certo que os títulos da OI+Pharol sobem!

Anónimo 24.05.2017

Só inside info... os pequenos acionistas que se pharolem...

jonyk 24.05.2017

ahhh uma opa da altice...só acredita quem quer. Recorde-se que foi a OI que vendeu a PT à altice. Agora a altice ia-se meter na pharol para ficar com uma parte da OI que tá no buraco? HEEHEH

ver mais comentários
pub