Bolsa Hertz afunda 50% após travagem brusca das estimativas

Hertz afunda 50% após travagem brusca das estimativas

A Hertz está a perder metade do seu valor, depois de a empresa ter dito que no acumulado do ano irá lucrar no máximo 88 cêntimos por acção. Em Agosto, a estimativa da empresa era de 3,50 dólares.
Hertz afunda 50% após travagem brusca das estimativas
Reuters
Sara Antunes 08 de Novembro de 2016 às 15:26

As acções da Hertz estão a derrapar 50,20% para 17,80 dólares, recuando assim para o valor mais baixo desde Abril de 2009. Esta é a queda mais acentuada de sempre das acções da empresa que gere aluguer de automóveis.

 

A justificar esta descida acentuada estão os resultados da empresa. Os lucros do terceiro trimestre, que ficaram aquém das estimativas, e as previsões de resultados para o acumulado do ano, que foram revistas significativamente em baixa.

 

A Hertz anunciou que os resultados ajustados foram de 1,58 dólares por acção. As estimativas dos analistas consultados pela Bloomberg apontavam para um lucro de 2,73 dólares.

 

Mas mais do que os resultados do trimestre, as acções estão a reflectir o corte das estimativas de resultados para o acumulado do ano. Assim, as previsões da Hertz apontam para que este ano os lucros se situem entre os 51 cêntimos e os 88 cêntimos por acção. Em Agosto, a empresa estimou lucros entre os 2,75 e os 3,50 dólares.

O presidente executivo da Hertz, John Tague, afirmou que houve uma "depreciação substancial" dos carros, especialmente dos sedans, numa altura em que os consumidores estão a procurar mais carros utilitários mas desportivos.

 

O mesmo responsável revelou que os volumes de aluguer estão no limite mais baixo das estimativas.


(Notícia actualizada com mais informação)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub