Empresas High Bridge Unipessoal comprou a posição do BCP na Pharol

High Bridge Unipessoal comprou a posição do BCP na Pharol

Já foi anunciado o investidor que comprou a posição alienada na terça-feira pelo BCP.
High Bridge Unipessoal comprou a posição do BCP na Pharol
Negócios 24 de maio de 2017 às 19:32

A Pharol anunciou esta quarta-feira, 24 de Maio, que a High Bridge Unipessoal passou a ser accionista de referência da Pharol, depois de ter adquirido ontem uma posição de 6,17% do capital da empresa liderada por Palha da Silva.

 

Esta posição foi adquirida ao BCP, que anunciou ontem que alienou exactamente a mesma posição de 6,17% na Pharol, deixando de ter qualquer acção da companhia portuguesa.

 

A High Bridge Unipessoal, detida pela Atlantis Global Investments, passou assim a controlar 896.512.500 acções da Pharol, que tendo em conta a cotação de ontem está avaliada em 13,9 milhões de euros.

 

A posição do BCP tinha sido construída em Agosto de 2015 e surgiu devido à execução de garantias dadas pela Ongoing em créditos que tinham sido concedidos pelo banco. Nessa altura, a participação de 6,17% da Pharol estava avaliada, a preços de mercado, em 15,3 milhões de euros. Esta terça-feira, tendo em conta a cotação actual, uma posição de 6,17% vale 13,9 milhões de euros

 

A decisão do BCP de vender a posição na Pharol surge numa altura em que os títulos da antiga PT estão sob pressão. A empresa liderada por Palha da Silva detém 22,24% da brasileira Oi, que está em processo de recuperação e que tem sido penalizada pela instabilidade política que se vive no país e que tem tido reflexos nos activos brasileiros.
 
Desde o máximo do ano, atingido a 10 de Fevereiro, as acções da Pharol descem 40%. Ainda assim, o desempenho nas primeiras semanas do ano permite à empresa preservar ainda um ganho de mais de 20% desde o início do ano.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Carlos Pinto 25.05.2017

Peter, não deves estar a falar da Pharol com certeza, que a única coisa que tem é uma participação de 22% na OI, mais nadinha!

Peter 25.05.2017

A Pharol é uma excelente empresa com rede que abrange todo o território nacional e vai continuar a ser a maior e melhor, problema é ser da OI e a situação no Brasil está tumultuosa, Era bom que a oi vendesse a sua parte na pharol.

Anónimo 25.05.2017

A prova que actual administração mediocre do BCP faz uma gestão à vista do Banco, sem qq orientação ou plano pré-estabelecido é o conteúdo deste negocio, mais um, entre outros, ruinoso para os interesses do BCP. Vendeu a perder qd poderia ter facilmente vendido as ações desta empresa qd estavam cotadas 0,43-0,47.
PS: N se admirem que a tal High bridge tenha depositado em qq offshore uns milhões em comissões a favor de uma qq High bridges Amado e companhia. A Saque está e estará o BCP. Deixem o negocio do Novo Banco cair, e lá vai ela outra vez de arrasto com todo o sistema financeiro nacional para o buraco...cotação dos 0,9-0,13.

Camponio da beira 25.05.2017

Então o Bcp que podia ter ganho uma pipa de massa vendeu a perder.....

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub