Empresas Hilti Portugal ascende a "melhor empresa para trabalhar"

Hilti Portugal ascende a "melhor empresa para trabalhar"

A empresa de Matosinhos que trabalha para a construção civil toma a liderança à Ericsson, que cai para a oitava posição em 2016. A Philips e a imobiliária KW Business fecham o pódio do ranking da revista Exame. Veja as primeiras 10 empresas do ranking.
1º Hilti Portugal 2º Philips 3º KW Business 4º Edge Innovation 5º Luso-Atlântica 6º Sector Interactivo 7º Bresimar Automação 8º Ericsson 9º BySide 10º Wide Travel & Events
António Larguesa 21 de Novembro de 2016 às 20:00

A Hilti Portugal surge no topo da lista da edição de 2016 do estudo "As Melhores Empresas para Trabalhar", que analisa há 15 anos consecutivos as práticas de Recursos Humanos e distingue as empresas com o maior grau de compromisso dos seus trabalhadores.

 

Fornecedora de software, tecnologias, serviços e ferramentas para a construção civil, a filial do grupo sedeado em Schaan, no Liechtenstein, ascende à liderança nesta iniciativa anual da revista Exame, agora em parceria com a escola de negócios AESE, aberta a empresas com mais de dez trabalhadores ou facturação acima de dois milhões de euros. Ultrapassa a Ericsson, que tinha dominado as duas últimas edições e cai este ano para a oitava posição.

 

Dos 98 funcionários da empresa, presente no país desde 1978 e instalada actualmente no Parque Empresarial da Lionesa, em Matosinhos, 60% têm formação superior. A média das idades é de 39 anos e a antiguidade ronda os 11 anos. Presença habitual noutros prémios, como o que conquistou este ano de "Empresa Mais Feliz", é também distinguida na categoria de desenvolvimento de pessoas e melhores práticas de gestão responsável.

 

Na edição de Dezembro, a revista do grupo Impresa destaca o pequeno-almoço "digno de hotel" servido todas as manhãs por uma empresa de catering, o processo de integração através de um padrinho que "orienta e aconselha informalmente" o novo colaborador, ou o orçamento anual para a formação, que este ano ronda os 71 mil euros.

 

"A empresa não falha quando as pessoas precisam. Exemplo disso foi a postura da administração durante os anos de maior crise no sector da construção. Ninguém foi dispensado, nem mesmo quando as receitas desceram a valores negativos. António Raab, director-geral, aguentou o barco, formando recursos excedentes numa área para serem integrados noutras, e nunca reduziu ou retirou qualquer benefício à equipa. Em compensação, quando as coisas melhoraram, em 2014, todos foram surpreendidos com um salário e meio extra", lê-se no artigo.

 
Sobe e desce, até ao início do século

A queda da Ericsson, que na última edição era destacada pela política de benefícios, a formação contínua, o apoio à maternidade e o subsídio escolar dado aos filhos dos trabalhadores, foi aproveitada também pela filial portuguesa da Philips. Com sede em Oeiras e perto de uma centena de trabalhadores, a empresa que se destaca nas áreas da iluminação, cuidados de saúde e produtos de grande consumo sobe este ano à segunda posição.

 

A KW Business (Keller Williams), que em Portugal está nas mãos do Grupo Business, de Vila Nova de Famalicão, e reclama ser a imobiliária líder na região Norte, entra directamente para o terceiro posto. Do top 10 fazem ainda parte a Edge Innovation, a Luso-Atlântica, a Sector Interactivo, a Bresimar Automação, a já referida Ericsson, a BySide e a Wide Travel & Events.

Segundo a lista fornecida ao Negócios, o primeiro vencedor deste galardão foi a Microsoft. A lista de há 15 anos tinha apenas dez empresas finalistas e nenhuma delas surge em destaque na edição de 2016. A título de curiosidade, além da multinacional então liderada por Bill Gates, as premiadas no início deste século foram a HP, Compaq, Merck, Sharp & Dohme, Roche, Bento Pedroso, Arthur Andersen, Zagope, Continental Mabor e Capgemini.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Este artigo contém uma imprecisão grosseira - a edição deste ano das melhores empresas para trabalhar resulta de uma Parceria da revista EXAME com a consultora everis e com a AESE e não "... iniciativa anual da revista Exame, agora em parceria com a escola de negócios AESE".

comentários mais recentes
5640533 Há 2 semanas

Parece que o estrangeiro trata melnor o empregado do que o português. Nenhuma novidade.

Anónimo Há 2 semanas

Este artigo contém uma imprecisão grosseira - a edição deste ano das melhores empresas para trabalhar resulta de uma Parceria da revista EXAME com a consultora everis e com a AESE e não "... iniciativa anual da revista Exame, agora em parceria com a escola de negócios AESE".

António Há 2 semanas

Só acredito vendo e sentindo!
Em consequência disso mesmo, contratem-me, sou muito fácil de convencer...! :)

Jota Há 2 semanas

Mas ainda há alguem que ligue a estes rankings? Toda a gente sabe que são uma aldrabice. Já não há pachorra.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub