Comércio Hipermercados devem 15 milhões de taxa de segurança alimentar

Hipermercados devem 15 milhões de taxa de segurança alimentar

O ministro da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Florestas, Capoulas Santos, disse hoje na Assembleia da República, que estão por cobrar às grandes superfícies cerca de 15 milhões de euros relativos à taxa de segurança alimentar.
Hipermercados devem 15 milhões de taxa de segurança alimentar
Lusa 04 de Outubro de 2016 às 18:57

"Há cerca de 15 milhões por cobrar e mais 6,3 milhões de euros de uma facturação que ainda não está totalmente vencida" relativos a 2016, adiantou o ministro durante uma audição na comissão parlamentar de Agricultura.

 

Fonte do gabinete de Capoulas Santos esclareceu que este montante é relativo a 9, 7 milhões de euros de dívidas apuradas entre 2012 e 2015 (dos quais 9,2 milhões de euros pertencem à Jerónimo Martins, dona do Pingo Doce), mais 6,3 milhões de euros relativos à primeira tranche de 2016.

 

O ministro da Agricultura acrescentou ainda que "há mais de cinco centenas de acções entradas em tribunal contra a cobrança desta taxa" e que o elevado montante por cobrar coloca problemas de tesouraria na Direcção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) para onde são canalizadas as receitas.

 

"Esperamos que os tribunais funcionem", comentou.

 

A taxa de segurança alimentar, criada pela ex-ministra da Agricultura do Governo de Passos Coelho, Assunção Cristas, aplica-se aos estabelecimentos de comércio alimentar ou misto que tenham uma área de venda superior a 2000 metros quadrados, como os hipermercados, deixando de fora os pequenos retalhistas.

 

A taxa foi contestada desde o início pelos operadores da grande distribuição e alguns, como a Jerónimo Martins, ainda não pagaram qualquer verba, optando por recorrer aos tribunais.

 

As outras empresas optaram pelo pagamento dos valores devidos, avançando ao mesmo tempo para a impugnação em tribunal. No final de 2015, corriam nos Tribunais Administrativos e Fiscais 550 processos, mais 17 nos Tribunais Tributários.

 

As receitas da taxa servem para financiar, através da DGAV, o Fundo Sanitário e de Segurança Alimentar que apoia vários tipos de acções no âmbito da segurança alimentar, da protecção e sanidade animal, da protecção vegetal e fitossanidade, prevenção e erradicação das doenças dos animais e plantas, entre outros objectivos.

 

Capoulas Santos está hoje a ser ouvido na Assembleia da República, a pedido do PSD e do PCP, sobre questões relacionadas com a sanidade animal e com o SIRCA (Sistema de Recolha de Cadáveres de Animais Mortos na Exploração).




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AFBS 04.10.2016

Os tribunais não funcionam ! Milagres ? Nem em Fátima !

comentários mais recentes
Emidio Jose 05.10.2016

se cobrarem eles ameaçam que vão para o estrangeiro e levam o dinheiro é melhor ficar assim ninguém se chateia e o dinheirinho fica cá.. nova estratégia.

João Cerqueira 05.10.2016

Taxas e taxinhas, e não saímos disto. Haja mudanças estruturais para o país avançar.

Gustavo Ferreira 04.10.2016

E estão à espera de que, para cobrar???

Luis Moreira 04.10.2016

EM 10 MESES NÃO TIVERAM TEMPO? CLARO É SÓ VIAJAR

ver mais comentários
pub