Telecomunicações Holanda avançou com pedido de falência das subsidiárias da Oi

Holanda avançou com pedido de falência das subsidiárias da Oi

Os administradores judiciais das subsidiárias da Oi na Holanda já entregaram o pedido de conversão da suspensão de pagamentos em falência. A Oi garante que a eventual reconversão não tem impactos da recuperação judicial.
Holanda avançou com pedido de falência das subsidiárias da Oi
Reuters
Sara Ribeiro 02 de Dezembro de 2016 às 09:29

Na quinta-feira o Tribunal de Amesterdão, Holanda, recebeu o pedido de conversão da suspensão de pagamentos da Oi Brasil Holdings e da Portugal Telecom International Finance B.V (PTIF). O processo avançado pelos administradores judiciais financeiros das subsidiárias da Oi na Holanda foi comunicado na quinta-feira-feira à noite pela operadora em comunicado enviado ao regulador brasileiro (CVM).

O pedido de suspensão de pagamentos, medida que impede os credores das empresas de executarem a dívida, tinha dado entrada na justiça holandesa em Agosto. Porém, os administradores judiciais decidiram avançar com a reconversão da suspensão de pagamentos, ou seja, com o pedido de falência das subsidiárias.

A audiência para discutir a aprovação do pedido foi agendada dia 12 de Janeiro de 2017, informa a operadora brasileira no mesmo comunicado.

A notícia do pedido dos administradores holandeses acontece poucos dias depois de a Oi ter informado o mercado que tinha sido alertada para esta hipótese. Tal como referiu na terça-feira passada, a empresa que tem a Pharol como maior accionistas sublinha que a "eventual conversão estaria restrita à jurisdição e lei holandesas e espera que disso não resultem impactos significativos na recuperação judicial - que continua incluindo a Oi Brasil Holdings e a PTIF -, no seu caixa e nem no dia-a-dia da companhia no Brasil".

A Oi "pretende empreender todos os esforços apropriados para buscar assegurar a protecção dos interesses das Empresas Oi e de todos os seus stakeholders", sublinha a operadora, que tem uma dívida total de 65 mil milhões de reais (perto de 18 mil milhões de euros) – o valor mais elevado de sempre da história brasileira presente num pedido de recuperação judicial.

Na terça-feira a operadora também divulgou que entregou uma proposta que prevê o pagamento de parte da dívida a cerca de 58 mil credores (com créditos até 50 mil reais) e que já tinha avançado com conversações com os credores sobre o plano de recuperação.

Além disso, também já realizou uma audição de mediação com o regulador do sector no Brasil (Anatel) para alcançarem uma solução para o pagamento da dívida à entidade no valor de 20,2 mil milhões de reais (cerca de 5,5 mil milhões de euros).




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JF Há 4 dias

Havendo imensos credores da OI em Portugal é uma pena que este jornal venha apenas fazer copy/past das noticias da "Valor Económico" sem se preocupar em esclarecer adiconalmente de que forma é que esta ação irá afetar os obrigacionistas da ex-PT.

pub
pub
pub
pub