Empresas Hotéis e fábricas atraem para Portugal grupo espanhol de Recursos Humanos
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Hotéis e fábricas atraem para Portugal grupo espanhol de Recursos Humanos

A Constant entrou no mercado português para prestar serviços de “outsourcing” e trabalho temporário. Até ao final do ano vai ter cinco escritórios de norte a sul e prevê facturar seis milhões de euros.
Hotéis e fábricas atraem para Portugal grupo espanhol de Recursos Humanos
Miguel Baltazar
António Larguesa 07 de junho de 2017 às 00:01

O grupo Constant é um dos mais recentes operadores no mercado dos recursos humanos em Portugal, onde entrou em Agosto de 2016 para prestar serviços de "outsourcing". A operação portuguesa, que no início deste ano

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Olharapo 07.06.2017

Mais uma empresa esclavista daquelas que não interessam nada ao País nem á sua população (apenas a 1/2dúzia e interesses dúbios), não trás valor acrescentado nem know how inovador para a indústria!desejo-lhe uma vida muito curta assim como ao anônimo Neoliberal que aqui vomita disparates todos dias

Observador 07.06.2017

Mais outra empresa que vem á procura de mão de obra barata , isto é dos quinhentinhos licenciados ... exploração dos tempos modernos a imitar a escravidão do século XIX

Anónimo 07.06.2017

A solução é flexibilização do mercado laboral, coisa que já existe em grande medida nas economias mais desenvolvidas mas não em Portugal, e Estado de Bem-Estar Social, coisa que já existe em grande medida nas economias mais desenvolvidas mas não em Portugal porque o Estado de Bem-Estar Social português é só para uma parte da população e por isso temos uma Função Pública (e agora também um sector bancário) de Bem-Estar Social, mas não um Estado. Para a sustentabilidade dos Estados, a competitividade das economias e a equidade das sociedades do mundo desenvolvido, os custos do excedentarismo e da blindagem anti-mercado que o garante e perpétua são incomensuravelmente maiores do que aquele Estado de Bem-Estar Social universal num mercado efectivamente concorrencial e flexível.

Anónimo 07.06.2017

Até parece que os colaboradores internos vitalícios, efectivos e definitivos, nunca cometem erros, nunca são incompetentes, nunca se enganam. É exactamente a mesma coisa, nunca podem é ser trocados por outros melhores e mais apropriados aos objectivos da entidade empregadora ou contratante. Com outsourcing isso é possível e a economia ganha em competitividade, produtividade, capacidade de criação de valor e desenvolvimento sustentável. Basta comparar as economias mais desenvolvidas e ricas do mundo, onde existe desde há muito flexibilidade do mercado laboral e uma economia virada para as condições e alterações do mercado hora-após-hora, em vez de uma economia de costas voltadas para o real e actual mercado, voltada para um passado que já não tem nada a ver com o presente e muito menos terá a ver com o futuro que se avizinha.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub