Turismo & Lazer Hotel da Guarda avança para exploração de privados

Hotel da Guarda avança para exploração de privados

Foi publicado o anúncio de abertura do concurso público esta terça-feira, 1 de Agosto, em Diário da República. Os interessados têm agora 42 dias para apresentar propostas.
Hotel da Guarda avança para exploração de privados
Nuno André Ferreira/Correio da Manhã
Wilson Ledo 01 de agosto de 2017 às 12:50

Está dado mais um passo para a concessão do Hotel de Turismo da Guarda a privados. Foi publicado esta terça-feira, 1 de Agosto, em Diário da República o anúncio de abertura do concurso público para a exploração daquele espaço histórico como unidade hoteleira.

 

O imóvel foi adquirido pelo Turismo de Portugal em 2011, com a intenção de aí instalar uma escola de hotelaria, mas o plano acabou por não avançar. Agora, o mesmo integra o programa Revive.

 

Os interessados em explorar o Hotel de Turismo da Guarda têm 42 dias para apresentar a sua candidatura. O período de concessão previsto é de 50 anos. "O futuro hotel terá ainda uma forte componente de formação assegurada em articulação com a instituição de ensino da região", fez saber a Secretaria de Estado do Turismo.

 

Este é o terceiro de 33 imóveis do programa Revive, que integra património do Estado para recuperação e exploração de privados, a ser lançado. O primeiro foi o Convento de São Paulo em Elvas, ganho pelo grupo hoteleiro Vila Galé, onde as obras já arrancaram, num investimento de cinco milhões de euros.

 

O segundo processo diz respeito aos Pavilhões do Parque D. Carlos I nas Caldas da Rainha, edifícios que integravam o antigo hospital termal. O grupo Visabeira – que na cidade é também dono das faianças Bordallo Pinheiro – foi o único candidato, propondo investir 15 milhões de euros na construção de um hotel de cinco estrelas.

(Notícia actualizada às 17:36, com indicação sobre o prazo de candidatura)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub