Turismo & Lazer Hotel em Santa Apolónia atrai nove grandes grupos

Hotel em Santa Apolónia atrai nove grandes grupos

Sonae Capital, Visabeira, Hoti-Star e Barceló são alguns dos candidatos para a exploração de um hotel de quatro estrelas, com 120 quartos na estação por 35 anos.
Hotel em Santa Apolónia atrai nove grandes grupos
Miguel Baltazar
Maria João Babo 16 de novembro de 2017 às 22:00
São nove os candidatos que manifestaram interesse em vir a explorar um hotel de quatro estrelas e com 120 quartos na Estação de Santa Apolónia, em Lisboa.

A Infraestruturas de Portugal (IP), através da IP Património, avançou com um processo para a qualificação de concorrentes, que irão numa segunda fase ser convidados a concorrer à concessão de parte da estação, onde actualmente não há qualquer serviço a funcionar.

A lista de candidatos integra nove grupos nacionais e internacionais do sector hoteleiro. Apresentaram-se sozinhos os grupos Hoti-Star Portugal e Barceló – Arrendamiento Hoteleros. O grupo Visabeira avançou para a corrida com os seus Empreendimentos Turísticos Montebelo.

Já os restantes seis candidatos envolvem não só entidades proponentes mas também complementares. É o caso da Sonae Capital e The House Ribeira Hotel, que se apresentaram com a The Artist Porto Hotel e o Porto Palácio Hotel. Os Empreendimentos Hoteleiros Quinta do Ferro, por seu lado, surgem no processo com o grupo Vip Hotels, enquanto a M&J Pestana -Sociedade de Turismo da Madeira está aliada à Salvor – Sociedades de Investimentos Hoteleiros.

Com o agrupamento liderado pela Turilima e a Servinoga está o grupo Axis Hotels e com a SGEHR - Sociedade Gestora e Exploradora de Hotéis e Resorts o grupo NAU.

A lista de candidatos inclui ainda a Excover – Sociedade Geral de Equipamentos, Construção e Obras Públicas, aliada a Jean-Jacques Gauer, Rudolph Schiesser e Jay Gauer, nomes ligados a este sector.

A IP pretende entregar uma parte da Estação de Santa Apolónia em concessão por 35 anos para a instalação e exploração de uma unidade hoteleira de quatro estrelas, com um mínimo de 120 quartos, num processo que implicará ainda a realização de determinadas obras de renovação daquela estação.

O procedimento que foi lançado em Outubro destinou-se apenas à qualificação dos candidatos, que tiveram de apresentar as candidaturas até à passada quarta-feira. Apenas os candidatos qualificados poderão participar no procedimento destinado à adjudicação do contrato.

A decisão da IP de avançar com esta concessão mereceu já críticas por parte do PCP. Os deputados comunistas, numa questão colocada ao Ministério das Obras Públicas, entendem que os utentes da estação serão prejudicados em favor do negócio imobiliário.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Beruno Há 3 semanas

Nao entendo a indignaçao do pcp porque é para a IP ganhar dinheiro, e depois porque é um negocio que o pcp percebe bem, ja que o partido tambem gere/detem um bom patrimonio imobiliario

comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

A CAGADEIRA PESTILENTA tuga vai virar um ENORME HOTEL !

Nada mais! Só HOTEIS!

Beruno Há 3 semanas

Nao entendo a indignaçao do pcp porque é para a IP ganhar dinheiro, e depois porque é um negocio que o pcp percebe bem, ja que o partido tambem gere/detem um bom patrimonio imobiliario

pub