Turismo & Lazer Hoteleiros contestam falta de motivos para taxa turística no Porto

Hoteleiros contestam falta de motivos para taxa turística no Porto

A Associação da Hotelaria de Portugal pede que seja clarificado o destino dos dois euros que cada hóspede terá de pagar por noite no Porto a partir de Março de 2018.
Hoteleiros contestam falta de motivos para taxa turística no Porto
Paulo Duarte
Wilson Ledo 18 de dezembro de 2017 às 16:02

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) contestou esta segunda-feira, 18 de Dezembro, as justificações para a aplicação de uma taxa turística de dois euros no Porto.

"A nosso ver, não está sustentado", afirmou a presidente executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, num encontro com jornalistas. A taxa deverá aplicar-se a partir de 1 de Março de 2017 a todos os hóspedes com mais de 13 anos, até um máximo de sete noites seguidas por pessoa.


Questionada sobre o valor da taxa, que é o dobro do cobrado em Lisboa, Siza Vieira considerou que "há uma falta de fundamentação económica e financeira" no Porto. Uma das preocupações da associação é não perceber onde será aplicado o dinheiro.


"Em Lisboa sabe-se para onde vai o dinheiro", advertiu. Na capital, o valor tem servido para cobrir um conjunto de projectos na área do turismo, com uma estratégia de diversificação. São exemplo a construção de um miradouro no pilar da ponte 25 de Abril ou o financiamento da Eurovisão em Lisboa em 2018.


Cristina Siza Vieira recordou ainda que não está definido um sistema de cobrança desta taxa turística no Porto. "É um caminho que não tem o mesmo empenho da hotelaria que em Lisboa", advertiu. A associação aguarda ainda o regulamento final.


A AHP considera que este tipo de taxas não funciona, de forma efectiva, como um "regulador da procura". Numa altura em que o Porto se procura afirmar como um destino de negócios, a responsável lembra ainda que a introdução deste tipo de taxas, aplicadas a cidadãos nacionais que tenham necessidade de se deslocar à Invicta, poderá ter um impacto negativo nesta dinâmica.


A taxa turística não será aplicada a reservas que tenham sido feitas antes da sua entrada em vigor.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Devia era ser mais 18.12.2017

Hotel que não pague é para fechar na hora.

Mr.Tuga 18.12.2017

"fundamentar"?!??!?!?!?

Toca a PAGAR !!!!!!!!!!!!!!!!!
Em todas as grandes cidades do mundo se pagam taxas turísticas!!
O pobretanas tugal não pode ficar de fora!
Se os contribuintes pagam a grande, também o turistazeco deve PAGAR!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Aplicar essa guita na LIMPEZA e MOBILIDADE!

pub