Turismo & Lazer Hoteleiros contra aplicação de futura taxa turística do Porto na habitação

Hoteleiros contra aplicação de futura taxa turística do Porto na habitação

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) manifestou-se hoje contra a proposta da Câmara do Porto de criar uma taxa turística destinada "a compra de património para arrendamento", defendendo a aplicação da verba "no desenvolvimento e promoção turística".
Hoteleiros contra aplicação de futura taxa turística do Porto na habitação
Lusa 23 de agosto de 2017 às 11:40

Em comunicado, a AHP defende ainda que "deve haver diálogo entre a Câmara e as associações em representação dos hoteleiros e demais parceiros da actividade turística", disponibilizando-se para, "em conjunto com a autarquia e seus associados, encontrar soluções e ideias para ajudar a resolver de forma equilibrada os problemas de crescimento do turismo no Porto.

 

A AHP acrescenta que "já se pronunciou no âmbito da consulta pública" do regulamento da Taxa Turística do Porto, iniciada após a aprovação pelo executivo a 04 de Julho, para recolher contributos com vista à criação de uma taxa em 2018, sendo que o actual presidente da Câmara, Rui Moreira, já revelou que se for reeleito, pretende aplicar a receita na redução "da pegada turística", designadamente conseguindo habitação a um custo ajustado à classe média.

 

A associação discorda do "caminho que a autarquia pretende seguir, ao propor que a verba resultante da taxa turística reverta para a compra de património a disponibilizar para arrendamento aos munícipes".

 

"Não podemos estar de acordo com taxas turísticas que se destinem a investimentos que nada tenham a ver com o sector e que no fundo impõem à hotelaria o financiamento de compra de património como instrumento de intervenção no mercado imobiliário", observa o presidente da AHP, Raul Martins, citado no comunicado.

 

"Se se impõe aos hotéis e demais alojamento que cobrem taxas aos turistas por conta da Câmara, no mínimo as verbas devem ser aplicadas no desenvolvimento e promoção turística dos destinos", destaca a AHP, que se apresenta como "a maior associação patronal da indústria hoteleira, cujos associados representam mais de 60% do número de quartos da hotelaria nacional".

 

Desta forma, destaca a AHP, contribui-se "para a melhoria dos espaços frequentados pelos turistas, o que também beneficia directamente os habitantes".

 

Para a associação, "os privados devem participar nas propostas de aplicação dessas verbas em projectos e iniciativas efectivamente dedicadas a esse fim".

 

A AHP reconhece ser necessário "rever a política urbanística das cidades e o equilíbrio entre o desenvolvimento do turismo, a fixação de habitantes e a captação de investimento imobiliário".

 

Para isso, observa, "importa que as câmaras apoiem a habitação nas cidades, por forma a que a sua mobilidade seja melhorada, para que a capacidade de carga das diversas zonas não seja excedida e para que as infra-estruturas, preparadas para uma determinado volume de utilização, não entrem em rotura".

 

A Câmara do Porto aprovou no início de Julho, com o voto contra da CDU, a proposta que visa a criação, em 2018, da taxa turística na cidade, que, na opinião do presidente da autarquia, o independente Rui Moreira, deverá ser de dois euros.

 

Em reunião do executivo, o vereador da CDU, Pedro Carvalho, criticou "o 'timing'" da proposta, afirmando que a autarquia devia remeter a discussão "para o debate eleitoral".

 

Na ocasião, em declarações aos jornalistas, Rui Moreira, frisou que, na prática, a proposta aprovada dá início à abertura de um período de discussão pública sobre a criação da taxa turística, que demorará mais de 30 dias.

 

De acordo com o autarca, a partir daí o novo executivo poderá decidir se quer ou não implementar a taxa, "seguramente a partir de 2018".

 

Caso vença as eleições autárquicas de 1 de Outubro, o objectivo de Moreira é aplicar a receita da taxa "para reduzir a pegada turística", designadamente conseguir que haja habitação à venda a um custo ajustado à classe média, mas também resolver problemas como o dos resíduos sólidos, cujo volume "tem aumentado", e com o aparcamento de autocarros turísticos, sem incomodar o trânsito na cidade.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 23.08.2017

OBVIAMENTE....
Eles são contra taxar turistazecos e reformadecos, como se alguém deixasse de visitar o que quer que fosse por pagar mais 1 ou 2 euros... TRISTES E ANEDOTICOS o espelho desta sitio de MIERDA e TRAMPA atrasado!

Vai mais uma baixa de IVA para estes BOYS ladroes de CONTRIBUINTE?!

TinyTino 23.08.2017

Claro... os habitantes têm de gramar a inflação criada pelos turistas, mas não podem ter direito a nada. A ralá que vá viver para Vila do Conde ou Gondomar. É tudo dos hoteleiros. É em circuito fechado. Gostava então de saber para que tenho eu de pagar impostos para haver saúde pública porque se um turista for a um hospital não paga nada. O mesmo para segurança, estradas, serviços púbicos, etc

eas 23.08.2017

Claro! E coerentes, pois tb não queriam a ReduçãO do IVA para a hotelaria! E isenção das taxas no consumo de água?

pub