Tecnologias Huawei enfrenta dificuldades em penetrar o mercado norte-americano

Huawei enfrenta dificuldades em penetrar o mercado norte-americano

A gigante tecnológica chinesa pretende entrar no mercado de smartphones topo de gama nos Estados Unidos. Para tal vai lançar no país o seu novo modelo Mate 9 ainda este mês.
Huawei enfrenta dificuldades em penetrar o mercado norte-americano
Bloomberg
Negócios 28 de Novembro de 2016 às 11:08

Pela primeira vez, a Huawei vai trazer os seus smartphones aos consumidores americanos. No entanto, o fabricante chinês encontra pela frente uma série de obstáculos em termos de reputação e distribuição. O Huawei Mate 9 poderá vir a estar apenas disponível através de plataformas como a Amazon.

 

De acordo com o Wall Street Journal, os transportadores americanos, responsáveis pela distribuição de mais de 80% dos equipamentos, têm vindo a mostrar-se reticentes relativamente à Huawei, dada a sua baixa reputação e por preocupações de segurança. Um relatório do Congresso recomendou que não se recorresse aos serviços de rede da marca chinesa, com receios de espionagem. A Huawei recusou tais acusações.

 

"Leva tempo para construir confiança nos Estados Unidos", afirma Richard Yu, director do negócio de smartphones da Huawei.

 

O mercado que a Huawei pretende atingir é actualmente liderado pela Apple e pela Samsung, que detêm quotas de mercado de 39% e 23% respectivamente, avança a mesma fonte. O mercado americano de smartphones topo de gama (com preços acima dos 500 dólares [471,8 euros]) é o maior do mundo.

 

Outro desafio prende-se com as operadoras móveis. A Huawei terá de fazer algumas alterações nos equipamentos para corresponder aos padrões celulares utilizados pela Verizon e pela Sprint. As operadoras também não reconhecem vantagens em adicionar a marca chinesa à sua oferta.

 

No passado mês de Julho, a Huawei acusou a T-Mobile de utilizar equipamento de rede da fabricante chinesa sem assinar o acordo de licenciamento de patente. O Wall Street Journal aponta que a empresa asiática poderá vir a trabalhar provavelmente com a AT&T.

 

A Huawei tem vindo a apostar noutros mercados para além dos Estados Unidos, nomeadamente na Europa ocidental. Os investimentos em publicidade, o contacto com retalhistas locais e o apoio a equipas de futebol resultou num aumento da sua quota de mercado para os 13% no terceiro trimestre, acima dos 6% registados em período homólogo, de acordo com a IDC.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub