Imobiliário Idealista: Preço das casas sobe 3,8% no segundo trimestre  

Idealista: Preço das casas sobe 3,8% no segundo trimestre  

O preço das casas em Portugal subiu 3,8% durante o segundo trimestre deste ano em relação ao anterior, verificando-se a valorização dos imóveis "em todas as regiões" do país, segundo dados do Idealista, hoje divulgados.
Idealista: Preço das casas sobe 3,8% no segundo trimestre  
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 06 de julho de 2017 às 11:11

"Com esta subida, o preço da habitação situa-se nos 1.497 euros por metro quadrado", revelou o índice de preços do Idealista, apurando que a maior subida foi registada no Funchal, 13,7%.

 

Segundo esta plataforma imobiliária - usada em Portugal para comprar, vender ou arrendar -, este índice de preços imobiliários analisou "59.198 anúncios que estão ou já estiveram anunciados na base de dados do Idealista, entre 26 de Abril e 27 de Junho de 2017".

 

No segundo trimestre deste ano, "todas as regiões assistiram a um aumento de preços em relação ao primeiro trimestre de 2017", indicou o mais recente índice de preços das casas em Portugal.

 

"As regiões que apresentaram uma subida mais significativa foram Madeira e Alentejo (8,5% e 7,8% respectivamente), seguidas por Lisboa com um aumento de 4,6%", informou a plataforma imobiliária, referindo que as regiões com as menores subidas foram Algarve e Norte (2,9% em ambos os casos) e Centro com uma variação trimestral de 2,6%.

 

Em relação ao preço, Lisboa continua a ser a região mais cara para comprar casa, com os valores médios a rondar os 2.050 euros por metro quadrado, seguida pelo Algarve (1.599 euros por metro quadrado) e pela Madeira (1.273 euros por metro quadrado).

 

Os valores mais baixos a pagar pelas casas encontram-se nas regiões Centro (939 euros por metro quadrado), Alentejo (1.074 euros por metro quadrado) e Norte (1.081 euros por metro quadrado).

 

Por distritos, as maiores subidas dos preços aconteceram na Madeira (8,7%), Lisboa (6%) e Viseu (5,9%), segundo o índice de preços do Idealista, referindo que, "face ao primeiro trimestre de 2017, 12 distritos viram os preços subirem no segundo trimestre deste ano".

 

"Já a maior descida foi registada em Beja (-5,9%), seguida por Évora e Guarda (-2,9% em ambos os casos)", avançou a plataforma imobiliária.

 

Em termos de valores, o 'ranking' dos distritos mais caros continua a ser liderado por Lisboa (2.421 euros por metro quadrado), seguindo-se Faro (1.599 euros por metro quadrado) e Madeira (1.273 euros por metro quadrado).

 

Os preços mais económicos para comprar casa continuam a situar-se nos distritos de Bragança (628 euros por metro quadrado), Guarda (646 euros por metro quadrado) e Portalegre (669 euros por metro quadrado).

 

Quanto às capitais de distrito, a subida mais acentuada verificou-se no Funchal (13,7%), seguida por Porto (6,5%) e Aveiro (6,3%).

 

"Durante o segundo trimestre de 2017, foram 13 as capitais de distrito que viram um aumento nos seus preços", segundo a mesma fonte.

Por outro lado, as capitais de distrito que registaram uma descida do preço das casas foram Beja (-6,7%), Guarda (-2,5%) e Évora (-2,3%).

 
"Lisboa continua a ser a capital de distrito onde é mais caro comprar, custando 3.744 euros por metro quadrado", revelou o índice, destacando também o Porto (1.885 euros por metro quadrado) e Funchal (1.536 euros por metro quadrado).

 
Os dados da plataforma Idealista indicam ainda que as capitais de distrito mais económicas para comprar casa são Bragança (610 euros por metro quadrado), Braga (713 euros por metro quadrado) e Castelo Branco (715 euros por metro quadrado).

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar