Comércio Ikea aumenta vendas e lucros em 2016

Ikea aumenta vendas e lucros em 2016

Os resultados positivos levaram a Ikea a reforçar o seu compromisso com a sustentabilidade. Portugal não escapa à vontade, com painéis fotovoltaicos na nova loja que abrirá em Loulé.
Ikea aumenta vendas e lucros em 2016
Wilson Ledo 07 de dezembro de 2016 às 11:16

O grupo sueco Ikea viu os seus lucros crescerem para os 4,2 mil milhões de euros no ano financeiro de 2016, terminado a 31 de Agosto.

A empresa de mobiliário e decoração registou anda vendas de 35,1 mil milhões de euros, o que representa uma subida homóloga de 7,4%.


Entre 1 de Setembro de 2015 e 31 de Agosto deste ano, a marca registou 783 milhões de visitas às suas lojas. Já a sua página online recebeu 2,1 mil milhões de entradas.


Alemanha, Estados Unidos da América, França, Reino Unido e Suécia são os mercados com maior volume de vendas para a empresa, que destaca a China como um dos países onde regista maior crescimento


Em comunicado enviado esta quarta-feira, 7 de Outubro, o grupo Ikea anunciou ainda que irá investir mais mil milhões de euros em projectos de sustentabilidade, garantindo que os seus produtos provêem de matérias-primas mais sustentáveis.


No último ano fiscal, a Ikea inaugurou 12 novas lojas, uma delas em Portugal, instalada em Braga. O investimento de 25 milhões de euros abriu em Março. São já quatro os espaços abertos no país.


O objectivo para Portugal é ter, em Portugal, 10 pontos de venda até 2025. A Ikea lembra que está a "preparar-se" para abrir a primeira loja no Algarve, localizada em Loulé. A mesma contará com um investimento de um milhão de euros em painéis fotovoltaicos.


Em comunicado, a Ikea fez saber que "já avançou um investimento que ascende os cinco milhões de euros" em Portugal na área das energias renováveis.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub