Energia Importações de electricidade superaram as exportações em Outubro

Importações de electricidade superaram as exportações em Outubro

Outubro foi o primeiro mês deste ano em que as compras ao estrangeiro superaram as vendas. A produção de electricidade a partir de barragens e de centrais eólicas ficou abaixo da média.
Importações de electricidade superaram as exportações em Outubro
Bloomberg
André Cabrita-Mendes 03 de Novembro de 2016 às 12:54

As importações de electricidade superaram as exportações durante o mês de Outubro. Foi a primeira vez este ano que o saldo mensal de trocas com o estrangeiro foi importador.

De acordo com os dados da REN - Redes Energéticas Nacionais, o saldo de trocas com o estrangeiro foi ligeiramente importador em Outubro, ficando abaixo de 1% do consumo, o primeiro mês em 2016, em que o saldo não é exportador.

Durante o mês de Outubro, o consumo de energia eléctrica caiu 1,4% face a 2015. No entanto, este valor sobe 0,8% com a correcção dos efeitos de temperatura e número de dias úteis, mantendo assim a tendência positiva verificada nos últimos meses.

Os dados também demonstram que um recuo na produção a partir de fontes renováveis. O índice de produção hidroeléctrica ficou abaixo ficou abaixo dos valores médios. Já a produção eólica registou o valor mais baixo este ano. No total, a produção a partir de fontes renováveis abasteceu este mês 41% do consumo nacional. 
 

Entre Janeiro a Outubro, a produção renovável abasteceu 59% do consumo, mais o saldo exportador, repartindo-se pela hídrica com (31%), eólica (22%), a biomassa (5%) e fotovoltaica (1,5%).  Já a produção não renovável abasteceu 41% do consumo total, repartindo-se de forma semelhante pelo carvão e gás natural. O saldo exportador equivale a 11% do consumo nacional durante os primeiros dez meses.

Analisando o mercado de gás natural, o consumo cresceu 9,5%, mantendo a tendência dos últimos meses, derivado de um forte crescimento de 40% no segmento de produção eléctrica.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub