Bolsa Impresa dispara mais de 10% para máximos de Fevereiro de 2016

Impresa dispara mais de 10% para máximos de Fevereiro de 2016

As acções da Impresa acentuaram os ganhos no final da sessão. Subiram mais de 10%, depois de a Altice confirmar o interesse na Media Capital, o que fez disparar a especulação sobre outros potenciais negócios.
Impresa dispara mais de 10% para máximos de Fevereiro de 2016
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 26 de junho de 2017 às 17:11

As acções da Impresa subiram 10,55% para 0,44 euros, o que corresponde ao valor mais elevado desde 29 de Fevereiro de 2016. Esta subida acentuada foi acompanhada por uma elevada liquidez, tendo sido negociadas quase dois milhões de acções na sessão desta segunda-feira, o que compara com os 731,8 mil negociados em média por dia nos últimos seis meses.

 

Esta subida expressiva das acções da dona da SIC e do Expresso surge depois de a Altice ter confirmado o seu interesse na compra da Media Capital à Prisa. Depois de meses de notícias, rumores, desmentidos e pedidos de esclarecimento, surgiu este domingo a primeira confirmação oficial de que a Altice está interessada em comprar a Media Capital, tendo para o efeito iniciado já "interlocuções exploratórias" com a Prisa.

 

As acções da Media Capital, que negoceiam muito poucas vezes devido à sua reduzida liquidez (cerca de 95% do capital está nas mãos dos espanhóis), subiram 3,67% para 3,11 euros, negociando assim em máximos de Fevereiro de 2011. Trocaram de mãos menos de três mil acções da dona da TVI.

 

A outra cotada de media em Portugal é a Cofina, que também reagiu às notícias, mas de forma mais moderada, até porque os analistas não têm apontado esta cotada como potencial alvo de interesse. As acções da Cofina, dona do Negócios, subiram hoje 1,27% para 0,40 euros, tendo trocado de mãos 170,4 mil títulos.

 

Já Altice fechou o dia a subir 0,16% para 22,155 euros. A Prisa terminou o dia a cair 2,73% para 2,32 euros.

 

Os analistas estão divididos em relação ao potencial impacto da compra da Media Capital por parte da Altice. Há quem defenda que a Nos será forçada a reagir. Há quem acredite que não. E há algo que une os analistas: a compra de activos de media não criará valor às operadoras.

As acções da Nos terminaram o dia a subir 0,67% para 5,541 euros.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Skizy 26.06.2017

Impresa
Teixeira duarte
mota engil
bcp
As quatro miseráveis que cai a pique na hora de cair, e apenas pelo histórico também sobem a pique na hora de subir! Do BCP não é bem assim, tem faltado a hora de subir!

sa 26.06.2017

impresa so para a 1.15 , aproveitem

DEIXEM - SE DE EMPRESAS comprem DIAMANTES 26.06.2017

ENTÃO MAS O PESSOAL QUE ANDA AQUI A DIZER MAL DO BCP NÃO SABEM QUE A BOLSA É o ESPELHO DA ECONOMIA E QUE A NOSSA ECONOMIA ESTÁ COM O MAIS FORTE CRESÇIMENTO EM 100 ANOS VOÇÊS OU SÃO BURROS OU NÃO LERAM a NOTICIA DO EXª SR ULISSES PEREIRA

Anónimo 26.06.2017

O gráfico e indicadores técnicos mostra tudo.
Estou dentro e não pretendo sair.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub