Media Impresa financia-se em até 35 milhões de euros

Impresa financia-se em até 35 milhões de euros

A Impresa vai realizar uma nova emissão de dívida. O valor total pode ascender a 35 milhões de euros e servirá para renovar as suas linhas de financiamento, bem como financiar o edifício onde a empresa tem a maior parte das publicações, mas onde não tem a SIC.
Impresa financia-se em até 35 milhões de euros
Pedro Catarino
Sara Antunes 03 de julho de 2017 às 07:37

A Impresa anunciou que vai emitir até 3.500 obrigações, a cinco anos, cujo montante total de encaixe será de até 35 milhões de euros, segundo o prospecto da operação divulgado através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A operação será realizada a 25 de Julho e o banco responsável pela operação é o Haitong.

 

Esta oferta é dirigida a "apenas a investidores qualificados com liquidação em numerário ou em espécie", sendo que actuais detentores de obrigações da Impresa 2014/2018 poderão trocar os títulos que detêm por estes.

 

A taxa de juro aplicada será variável "igual à Euribor a 6 meses adicionada de 4,60%", explica a empresa liderada por Francisco Pedro Balsemão.

 

As ordens podem ser dadas a partir desta segunda-feira e até às 15:00 de 14 de Julho, sendo que os resultados serão conhecidos a 18 deste mês. O mínimo de subscrição é de 100 mil euros.

 

A Impresa explica que esta operação "visa renovar as suas linhas de financiamento, aumentar a maturidade, e, simultaneamente, financiar a expansão do edifício Impresa, como o objectivo de juntar todas as suas actividades na mesma localização." No edifício em causa está a esmagadora maioria das operações da empresa de comunicação social, estando de fora a estação de televisão da SIC, que se mantém em Carnaxide. 

O BPI realça que a Impresa "vai pagar mais juros" do que em emissões anteriores e o custo implícito é mais elevado do que o custo dos financiamentos através da banca, cuja "taxa média é inferior a 3%", realça o analista Pedro Oliveira numa nota publicada esta segunda-feira. O banco de invetsimento avalia a Impresa em 0,45 euros, o que confere às acções um potencial de queda de quase 4% face à actual cotação (0,468 euros).

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.

 

(Notícia actualizada às 8:50 com reacção do BPI)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Dias Silva 03.07.2017

Ou muito me engano, mas a Impresa ainda vai subir e, muito. Estarem a dar a avaliação d 0,45€ por ação deve ser para alguns venderem e assim outros ganharem bom dinheiro. Esperem uns dias e veremos se tenho razão. Palpita-me que até ao final de Julho toca nos 0,60€ por ação.

Anónimo 03.07.2017

SE A ALTICE COMPRAR A DONA DA TVI, A SIC DEVIA JUNTAR-SE À VODAFONE, SÓ ASSIM SE SAFAM. A NOS COITADOS, NEM FIBRA TÊM. VEJAM A VELOCIDADE DO UPLOAD DA NOS, UMA VERGONHA E COBRAM PREÇOS EXORBITANTES.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub