Media Impresa reduz lucros para 86 mil euros no semestre

Impresa reduz lucros para 86 mil euros no semestre

O grupo dono do Expresso e da SIC assistiu a uma quebra das receitas e viu os lucros caírem 93%. Ainda assim, reduziu a sua dívida para o valor mais baixo em oito anos.
A carregar o vídeo ...
Wilson Ledo 27 de julho de 2017 às 16:50

O grupo Impresa terminou o primeiro semestre de 2017 com lucros de 85.603 euros, uma quebra de 93% face ao mesmo período do ano passado.

A informação foi transmitida esta quinta-feira, 27 de Julho, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e representa uma recuperação dos prejuízos apresentados no primeiro trimestre. De Abril a Junho, foram registados lucros de 2,8 milhões de euros, ainda assim uma quebra homóloga de 22,5%.


Nos primeiros seis meses do ano, o grupo de media dono da SIC e do Expresso assistiu a uma quebra nas suas receitas de 5,1%, para os 99,2 milhões de euros. A televisão, que representa a maior fatia, registou um encaixe de 76,1 milhões de euros, longe da imprensa escrita com 22,3 milhões e uma quebra mais acentuada (6,6%).


De Janeiro a Junho, os custos operacionais reduziram também dos 96 para os 93 milhões de euros, 3,1% em termos homólogos, "penalizados por custos de reestruturação de 1,5 milhões de euros".


A dívida do grupo liderado por Francisco Pedro Balsemão reduziu ainda a sua dívida para o valor mais baixo dos últimos oito anos, para os 189,1 milhões de euros, menos 7,5 milhões de euros do que em igual período de 2016.


As receitas de publicidade estão praticamente estabilizadas nos 58 milhões de euros. De Janeiro a Junho, as receitas da SIC com publicidade aumentaram 1,5% para 48,2 milhões de euros. Em sentido inverso, contraindo 0,4%, estão as receitas de subscrições de canais de televisão, nos 21,7 milhões de euros.


A SIC generalista fechou o primeiro trimestre com "share" de 17,0%. Já o Expresso apresenta uma tiragem de 91 mil exemplares.

Há indicadores operacionais positivos que demonstram que estamos no caminho certo. Este trimestre já colhemos frutos da implementação do nosso Plano Estratégico: aumentámos as receitas publicitárias e as de circulação, embora as receitas totais tenham caído devido à forte queda na área dos IVRs. Talvez ainda mais importante, prosseguimos a nossa trajectória descendente dos últimos anos na redução da dívida, que desceu, em termos homólogos, 7,5 milhões de euros, para o valor mais baixo em oito anos. Continuaremos, como sempre, a trabalhar no sentido de a reduzir. Francisco pedro Balsemão



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Para breve OPA da NOS sobre IMPRESA. O Balsemão anda a provocar a Isabel dos Santos, com a saída dos canais SIC em Angola.
Vamos ver quem manda! São os euros!!! IMPRESA A DUPICAR DE VALOR (da noite para o dia, como aconteceu com o Montepio). Aproveitem!!!

neves Há 3 semanas

penso que a impresa esta boa para comprar,visto os resultados com a descida da divida tem pernas para andar,amanha vou reforçar...

sa Há 3 semanas

bons resultados , , impresa vai subir e bem

nuno pereira Há 3 semanas

se reduziu a divida em 7,5 milhões de euros,entao os lucros não foram de 86 mil euros, mas sim de 7 milhões e 586 mil euros.nao percebo o titulo desta noticia dizendo que os lucros desceram 93%.tudo para votar abaixo a impresa.qual e melhor reduzir a divida em 7,5milhoes ou ter 1 milhão de lucros...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub