Media Impresa soma 8,5% após maior queda diária de sempre

Impresa soma 8,5% após maior queda diária de sempre

A dona da SIC está a recuperar parte das perdas recentes. O volume volta a estar acima da média, havendo uma pressão compradora sobre a Impresa.
Impresa soma 8,5% após maior queda diária de sempre
Pedro Catarino
Diogo Cavaleiro 26 de julho de 2017 às 12:01

Depois das desvalorizações, a recuperação. As acções da Impresa já estiveram a disparar mais de 10% esta quarta-feira, 26 de Julho, corrigindo parcialmente após sete dias seguidos a perder terreno. Aliás, na última sessão, a empresa marcou a maior queda de sempre.

 

Os títulos da companhia de media presidida por Francisco Pedro Balsemão ganham 8,57% para valer 34,2 cêntimos, com quase 1,4 milhões de acções negociadas em menos de quatro horas de transacções. Em média, cada sessão costuma ter 986 mil títulos da Impresa a trocarem de mãos.

 

A subida, que já foi superior a 10% esta manhã, ocorre depois de ontem ter afundado 13,7%, a maior desvalorização diária de sempre – que foi acompanhada por um volume acima de 3,2 milhões de acções. A toada tem sido negativa nas últimas sessões: desde terça-feira da semana passada que os títulos da dona da SIC e do Expresso não subiam em relação aos preços das sessões anteriores.

 

Foi um período sempre a perder terreno, atribuída à emissão de dívida. A Impresa pretendia financiar-se em 35 milhões de euros, mas adiou, por duas vezes, o prazo para a colocação daquelas obrigações junto de investidores institucionais. No final do último prazo, a empresa cancelou a emissão, o que trouxe preocupações para os investidores, até porque o objectivo da operação era, em parte, refinanciar a dívida – em 2018, a Impresa tem de reembolsar 30 milhões de euros.

 

Apesar das quedas recentes, a Impresa ganha 80% desde o início do ano, com a expectativa de novidades no sector dos media. Recentemente, a Altice anunciou a compra da Media Capital e há analistas a antecipar que a operadora Nos pode olhar para a Impresa. A empresa justificou o cancelamento da emissão de obrigações com as "alterações recentes no sector dos media e ao impacto resultante no sentimento da comunidade de investidores".

 

No sector dos media, a Cofina está hoje a subir 3,27% para valer 44,2 cêntimos, e o índice europeu do sector segue a ganhar 0,60% em relação ao fecho de ontem.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 26.07.2017

Será que o acordo de venda da Impresa, já está delineado com a NOS, ou será Vodafone?
Será = ao Montepio:4/07 fecho cotação = 0,497€ , teve OPA de 1€ /acção, no fim de sessão 4/07. Em 5/7 abriu a 0,95€ . Ou seja, aumento  noite para o dia de 99,2%!
Alguém tem novidades q entenda partilhar?
Obrig

sa 26.07.2017

brevemente a 0.65 eur ; IMPRESA

BCP AMANHÃ CAI -- LHES OS CORNOS 26.07.2017

AQUELES QUE HOJE ANDAM A MARRAR O BCP 2% PARA BAIXO AMANHÃ COM OS SEU SUPER RESULTADOS VÃO VÊ -- LO SUBIR 8 % PARA CIMA ATÉ OS CORNOS LHES VÃO CAIR E VÃO PASSAR o FIM DE SEMANA ENCHARCADOS EM XANAXES

rekorbp 26.07.2017

è aproveitar para vender quem ainda não vendeu.

ver mais comentários
pub