Transportes Incêndio provoca "prejuízos avultados" em estaleiro de Viana do Castelo

Incêndio provoca "prejuízos avultados" em estaleiro de Viana do Castelo

O gerente da empresa Navalethes, em Viana do Castelo afirmou à Lusa serem "avultados" os prejuízos causados pelo incêndio que, na madrugada de hoje, destruiu o interior do estaleiro situado no parque empresarial da Praia Norte, num caso que a Polícia Judiciária está a investigar
Incêndio provoca "prejuízos avultados" em estaleiro de Viana do Castelo
Paulo Duarte
Lusa 06 de setembro de 2017 às 11:46
"Os prejuízos ainda não estão totalmente quantificados, mas são avultados e o problema é que não tenho seguro. A parte eléctrica foi destruída, um dos barcos que se encontrava pronto para entrega foi afectado, quatro cascos são recuperáveis e não sei como vamos conseguir os contratos celebrados com a Marinha Portuguesa e o Ministério da Defesa de Marrocos", afirmou hoje à Lusa Francisco Portela Rosa.

O responsável da Navalethes, empresa com cerca de seis anos de actividade acrescentou que as causas do incêndio são ainda desconhecidas e que "a Polícia Judiciária (PJ) foi chamada a investigar o caso".

"É um incêndio esquisito. A única possibilidade que coloco é algum curto-circuito. Uma lâmpada de presença que deixamos ligada durante a noite. Temos câmaras de videovigilância que poderão ajudar a explicar o que se passou", disse.

Contactada pela agência Lusa, fonte da directoria de Braga da PJ afirmou que "o caso foi comunicado e vai ser investigado".

Aquele estaleiro tem na carteira de encomendas " lanchas de fiscalização para entregar, em Dezembro, à Marinha portuguesa e mais duas daquelas embarcações para o Ministério da Defesa de Marrocos".

"O contrato de Marrocos prevê um total de quatro lanchas. Duas entregamos a semana passada. As outras duas tínhamos que entregar no final de Outubro", especificou.

Segundo Francisco Portela Rosa "a empresa foi alvo, há cerca de dois anos, de obras de requalificação, orçadas em mais de 110 mil euros", estimando "em mais um mês a mês e meio o tempo necessário para a recuperação do estaleiro".

Aquele estaleiro emprega actualmente "cerca de 20 trabalhadores (contando com os funcionários do subempreiteiro)".

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo o alerta foi dado cerca das 01:31. Aquela fonte revelou que as chamas foram dadas como dominadas cerca das 02:00, sendo que as operações de rescaldo prolongaram-se até às 04:00.

Ao local compareceram 13 operacionais com quatro viaturas dos bombeiros municipais e voluntários da cidade.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub