Bolsa Income Fund of America reduz participação na EDP para 1,88%

Income Fund of America reduz participação na EDP para 1,88%

O fundo de investimento mútuo norte-americano IFA já tinha quebrado a fasquia da participação qualificada de 2%, no passado dia 30 de Novembro, e passou agora a deter 1,8%% com 68,7 milhões de acções da eléctrica nacional.
Income Fund of America reduz participação na EDP para 1,88%
Negócios 06 de dezembro de 2016 às 22:05

O Income Fund of America (IFA) reduziu no passado dia 1 de Dezembro a sua participação na EDP – Energias de Portugal para 68.731.013 acções, representativas de 1,88% do capital social da eléctrica e dos direitos de voto, informou em comunicado à CMVM a empresa presidida por António Mexia.

 

Adicionalmente, o IFA – fundo de investimento mútuo sedeado nos Estados Unidos – informou que conferiu poderes à Capital Research and Management Company para exercício dos direitos de voto correspondentes a esta participação.

 

Desta forma, as acções detidas pelo IFA também são imputáveis à Capital Research and Management Company, embora o IFA seja o detentor directo das acções, acrescenta o documento.

 

A Capital Research and Management Company é uma consultora de investimentos sedeada nos EUA que gere fundos de investimento mútuo.

 

O total de acções detidas pelo IFA baixou o patamar de 2,00% do capital social da EDP no dia 30 de Novembro de 2016. A participação do IFA anteriormente conhecida era de 2,51% do capital social da eléctrica, conforme comunicado à EDP pela The Capital Group Companies Inc. a 11 de Agosto de 2016.

 
Esta terça-feira, 6 de Dezembro, a EDP encerrou a subir 3,6% para 2,792 euros, registando a melhor sessão bolsista desde 29 de Junho, dia de fortes ganhos nas bolsas mundiais.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub