Aviação Índia mantém proibição de Wi-Fi a bordo dos aviões

Índia mantém proibição de Wi-Fi a bordo dos aviões

Os reguladores indianos têm vindo a oferecer resistência à utilização da tecnologia nos aviões que sobrevoam o seu espaço aéreo por razões de segurança. Mas os especialistas desvalorizam os receios de Nova Deli.
Índia mantém proibição de Wi-Fi a bordo dos aviões
Bloomberg / Reuters / Getty Images
Negócios 12 de dezembro de 2016 às 13:02

Apesar da pressão feita por companhias aéreas como a Emirates ou a Jet Airways para tentar mudar a lei e permitir oferecer acesso à internet aos seus passageiros, o governo de Nova Deli resiste em permitir o uso da tecnologia wi-fi em espaço aéreo indiano.


A proibição do uso desta tecnologia de transferência de dados sem fios aplica-se a todos os voos que passem no espaço aéreo indiano, afectando não só voos domésticos como também os que ligam o Leste e o Sudeste asiático ao Médio Oriente e à Europa, conta o The Wall Street Journal.

O periódico refere que a posição do governo indiano é "pouco clara". Um porta-voz de Choubey afirma que o ministro da Aviação apoia a mudança da lei, sendo necessária uma aprovação do ministro da Comunicação. Um porta-voz do ministro da Comunicação refere que este se encontra a considerar uma proposta. O ministro do Interior, responsável pela segurança interna, conta que ainda não examinou o caso e recusou comentar questões de segurança.

Em Agosto passado, o secretário da Aviação Civil indiana, R.N. Choubey afirmou que as restrições de acesso à internet a bordo seriam levantadas no espaço de "10 dias". No entanto, e apesar dos apelos da indústria e dos certificados da Administração Federal de Aviação norte-americana, a proibição mantém-se.

As preocupações com a segurança na Índia surgem num contexto em que a tensão militar entre o país e o Paquistão se tem reacendido, pela disputa por Caxemira. A região tem sido alvo de ataques terroristas, geralmente atribuídos a grupos islamitas ou a rebeldes maoistas.


Especialistas de tecnologia de aviação desvalorizam as preocupações de segurança por detrás da proibição de wi-fi no espaço aéreo indiano. Mark D. Martin, fundador da consultora de aviação Martin Consulting LLC, afirma que os sistemas que permitem o acesso à internet a bordo e os que têm influência no voo de um avião não comunicam entre si. E diz que as razões por detrás das restrições são "infundadas". 

Os serviços de Wi-Fi a bordo são geralmente providenciados por companhias como a Gogo Inc ou a SITA OnAir. Um porta-voz da Gogo avança ao mesmo jornal que a aprovação da mudança na legislação acontecerá. Do lado da SITA OnAir, Oliver Drennan, conselheiro-geral, afirma haver um interesse em oferecer conectividade à Internet aos passageiros, e que a empresa tem vindo a trabalhar com as autoridades.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub