Automóvel Indústria de componentes automóveis cresceu 7% em 2016

Indústria de componentes automóveis cresceu 7% em 2016

Os dados recolhidos pela associação AFIA dão conta de um aumento nas vendas em relação a 2015, tendo atingido os nove mil milhões de euros.
Indústria de componentes automóveis cresceu 7% em 2016
Gonçalo Oliveira
Alexandra Noronha 16 de janeiro de 2017 às 16:04

A AFIA (Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel) concluiu que o sector dos componentes automóveis registou um aumento nas vendas de 7% em 2016, face a 2015, atingindo um valor de nove mil milhões de euros, em Portugal.


"Deste valor, 85% referem-se à exportação, ou seja, as vendas ao exterior cresceram 8% e totalizaram 7,6 mil milhões de euros, também um novo máximo", segundo um comunicado da AFIA.


A associação levou a cabo um estudo, com o objectivo de comparar os componentes à restante indústria transformadora e concluiu que a área automóvel "automóveis compreendia 1% das empresas da indústria transformadora, representando 8% do número de pessoas ao serviço e 11% do volume de negócios", no país.


O mesmo documento especificou que as empresas desta área "empregam 16 vezes mais pessoal (236) do que a restante indústria" e que o volume de negócios das empresas é, em média, 22 vezes superior ao que é obtido pela indústria transformadora, atingindo os 43,7 milhões de euros. O valor acrescentado bruto médio, de 10,3 milhões, segundo a AFIA, é 23 vezes superior ao universo com que está a ser comparado.


A indústria de componentes tem também capacidade para fluxos de caixa de 13% (10% na transformadora) e conta com uma autonomia financeira de 46%, face aos 42% de outras indústrias. 

A AFIA estima um crescimento de 40% na produção de automóveis em Portugal entre 2015 e 2019.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub