Transportes INE vai perguntar a 200 mil famílias como vão de casa para o trabalho

INE vai perguntar a 200 mil famílias como vão de casa para o trabalho

Instituto de estatística quer saber como as pessoas se deslocam para o trabalho ou escola, quanto tempo demora e quanto custa. Inquéritos serão feitos nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto.
INE vai perguntar a 200 mil famílias como vão de casa para o trabalho
Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 21 de setembro de 2017 às 11:24

O Instituto Nacional de Estatística (INE) vai fazer um inquérito à mobilidade para saber como as famílias das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto se deslocam de casa para o trabalho ou para a escola. As respostas das famílias contactadas poderão ser dadas a partir de 16 de Outubro.

Numa nota enviada à comunicação social, o INE indica que o objectivo deste inquérito é dar resposta às seguintes questões: "Como nos deslocamos? Quanto tempo demoramos? Que distâncias percorremos? Quantos custos temos?"

"O IMob 2017 visa dar resposta a estas e outras perguntas, tendo como objectivos conhecer os padrões de mobilidade diária da população, a opinião dos utilizadores de transporte individual ou colectivo e as motivações que conduzem às opções de transporte".

Os alojamentos que forem seleccionados pelo INE – a amostra é de cerca de 200 mil – serão contactados primeiro para que respondam ao inquérito. As famílias em causa fazem parte dos 35 municípios das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto. As respostas vão ser dadas a partir de 16 de Outubro, através da internet.

O que mostram os últimos dados?

Segundo os dados dos últimos Censos, que se referem a 2011, a maior percentagem de pessoas que se deslocava nas duas áreas metropolitanas fazia-o de carro, mais do que em 2001.

Nos dois uma percentagem superior a 70% demorava até 30 minutos para chegar ao trabalho ou à escola. Nos dois casos o tempo era menor do que em 2001.  




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
gatogato 21.09.2017

E quem responder que vai de carro é fuzilado!

Saber mais e Alertas
pub