Banca & Finanças Inquérito/CGD: PCP acusa PSD e CDS de transformarem comissão num "número de circo"

Inquérito/CGD: PCP acusa PSD e CDS de transformarem comissão num "número de circo"

O PCP criticou esta quinta-feira a postura do PSD e do CDS-PP na comissão parlamentar de inquérito à gestão da CGD, considerando que os partidos da oposição ao Governo socialista pretendem tornar os trabalhos num número de circo.
Inquérito/CGD: PCP acusa PSD e CDS de transformarem comissão num "número de circo"
Bruno Simão
Lusa 16 de fevereiro de 2017 às 23:11

"O PSD e o CDS pretenderam marcar nova reunião para a semana, demonstrando que a vontade sobre o apuramento da verdade esbarrou com a vontade de tornar esta comissão num número de circo", afirmou aos jornalistas o deputado Miguel Tiago, no final de uma reunião de mesa e coordenadores da comissão, realizada à porta fechada.

 

Segundo o deputado comunista, o PSD e o CDS-PP "queriam exacerbar os poderes da comissão de inquérito", ao apresentarem requerimentos para que as comunicações trocadas entre o ministro das Finanças, Mário Centeno, e o ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) António Domingues fossem usadas na comissão parlamentar, algo que a esquerda (PS, BE e PCP) chumbou formalmente na reunião de quarta-feira.

 

"Como não conseguiram fazer número, introduziram agora nova perturbação que adia novamente o avanço dos trabalhos", salientou.

 

A reunião de hoje foi inconclusiva, pelo que foi reagendado novo encontro para terça-feira, informou o presidente em exercício da comissão, Paulo Trigo Pereira (PS).

 

O deputado socialista, que assumiu a liderança desta comissão após o anterior presidente, José Matos Correia (PSD), ter renunciado hoje ao cargo, fez uma breve declaração aos jornalistas no final da reunião que demorou cerca de uma hora.

 

Segundo Trigo Pereira, o objetivo da reunião de hoje foi saber se havia informação sobre o novo presidente da comissão por parte dos partidos (PSD e CDS-PP) que, por terem imposto esta comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD) de forma potestativa, têm o dever de nomear o seu presidente.

 

Como não houve uma nomeação, Trigo Pereira reagendou para a próxima terça-feira, às 15:00, nova discussão sobre este assunto.

 

"São os partidos proponentes que têm a responsabilidade de nomear o presidente da comissão. Pela minha parte, considero que as funções que assumi serão limitadas no tempo e não vão estender-se até ao final do prazo da comissão, a 26 de Março", sublinhou. 


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
IRÃO PAGÁ-LAS, E BEM, NAS PRÓXIMAS AUTÁRQUICAS 19.02.2017

É esta a Oposição q temos.
Sem uma ideia sequer para Portugal
Estão a criar uma percepção de incompetência, q vem mm a propósito das próximas Autárquicas q se aproximam
Vão levar - PSD e CDS - uma abada com q nunca sonharam
Estão a preparar o próprio terreno para serem reduzidos a escombros.

Número de circo?! 18.02.2017

Diz este urso! O gajo lá deve saber o animal que é...
Deves estar com MEDO que se saiba, os milhões que as empresas a municipais comunistas devem à caixa... Evitas a todo o custo que o povo saiba a verdade.
Estes vigaristas e hipocritas sem vergonha, armados em donos da "verdade"
Podres ....

Legru 17.02.2017

Querem acabar com o número de circo? - Esclareçam, exijam que a verdade seja mostrada aos portugueses.
Qual é o receio da verdade ser conhecida? - Vocês saberão porque não estão interessados e tornaram-se cúmplices nesta cabalada que só convencerá, quem estiver interessado nisso.
Por favor, de futuro não se armem em defensores da liberdade, justiça e quejandos porque já não convencerão ninguém.

DJ viajante 17.02.2017

Hoje e um dia triste para o comunismo que recusa ouvir a verdade. Venderam- se ao poder em nome da mentira.

pub
pub
pub
pub