Energia Inspecções de gás e electricidade vão mudar em 2018

Inspecções de gás e electricidade vão mudar em 2018

A partir de 1 de Janeiro de 2018 as inspecções no gás natural e electricidade vão sofrer mudanças.
Inspecções de gás e electricidade vão mudar em 2018
Bloomberg
André Cabrita-Mendes 09 de agosto de 2017 às 22:30
As inspecções de gás natural e electricidade vão sofrer alterações a partir de 1 de Janeiro de 2018. Assim, as inspecções vão deixar de ser obrigatórias no gás natural quando um consumidor muda de fornecedor ou quando tem lugar uma mudança de titular do contrato de fornecimento de gás, mas isto só se as instalações cumprirem certos requisitos.

As alterações às inspecções vão ser publicadas esta quinta-feira em Diário da República, mas ainda vão ter de ser regulamentadas pela Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) antes de entrarem em vigor no início de 2018.

Já o projecto de instalação de gás natural deixa de ser aprovado obrigatoriamente por uma entidade inspectora de gás, bastando o termo de responsabilidade do autor. Também as inspecções periódicas para instalações de gás da indústria turística e de restauração, escolas, hospitais e estabelecimentos públicos ou privados com capacidade superior a 250 pessoas passa de dois para três anos.

Na electricidade, deixa de ser obrigatória a inspecção inicial para os consumidores domésticos com uma potência igual ou inferior a 10,35 kVA. As famílias deixam assim de pagar os 51,23 euros de custo de inspecção. 

Já o projecto de instalação eléctrica deixa de ter aprovação obrigatória pela entidade licenciadora/certificadora. Desta forma, os clientes comerciais (com potências acima de 41,4 kVA) ficam dispensados de pagar 159,27 euros pela aprovação do projecto, enquanto os clientes industriais (com potência instalada de 630 kVA) ficam dispensados de pagar 1.890 euros pela aprovação do projecto.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 10.08.2017

Ok, já entendi, vamos apenas olhar para os custos, negligenciando as vantagens óbvias de segurança e acabar com o custo da carta de condução, inspecção auto, etc etc e tantos outros "custos"...

Anónimo 10.08.2017

Notícia encomendada, não tivesse sido publicada dia 9 antes da publicação do próprio Decreto Lei que foi publicado hoje dia 10! Independentemente disto, fala apenas em redução de custos e a ausência de inspecção, ensaios, etc!? O custo existia com vista a segurança do consumidor final e agora?

Nuno 10.08.2017

Bravo!

pub
pub
pub
pub