Banca & Finanças Interessados têm 20 dias para fazer primeira proposta pelo Efisa

Interessados têm 20 dias para fazer primeira proposta pelo Efisa

O concurso público para a venda do Efisa foi lançado, depois de abortado o primeiro procedimento.
Interessados têm 20 dias para fazer primeira proposta pelo Efisa
Bruno Simão
Diogo Cavaleiro 23 de janeiro de 2018 às 09:47

Os eventuais interessados em comprar o Banco Efisa têm 20 dias, ou seja até 12 de Fevereiro, para avançar com uma proposta não vinculativa, de acordo com o anúncio publicado esta terça-feira, 22 de Janeiro, em publicações periódicas como o Negócios, bem como no Diário da República. Actualmente, o banco é detido, na totalidade, pelo Estado português, através da Parparticipadas, sociedade que ficou com os activos que o BIC não quis adquirir ao antigo BPN.

 

"Poderão apresentar propostas as entidades que, preenchendo os requisitos mínimos definidos no programa de concurso, apresentem candidatura até ao 20.º dia posterior à data de publicação deste anúncio no Diário da República e sejam qualificadas de acordo com o regime de prioridades nele definido", aponta o classificado.

 

Só as entidades qualificadas no âmbito do processo, assessorado pela KPMG, poderão depois apresentar propostas preliminares até ao 45.º dia, que será 4 de Março. Segue-se uma fase de negociação com os concorrentes, com o processo a estender-se até ao 60.º dia, que será dia 19 de Março.

 

Para já, com o lançamento do concurso, há informações sobre o banco disponíveis para consulta pelos interessados. A vendedora Parparticipadas queria fechar o dossiê até Abril.

 

Este é o segundo procedimento de venda do Efisa, depois do primeiro ter sido cancelado. O contrato de compra e venda com a Pivot, sociedade da Aethel (Ricardo Santos Silva e Aba Schubert) e que contava com parceiros como Miguel Relvas, foi assinado em Outubro de 2015, mas a luz verde do Banco Central Europeu e do Banco de Portugal nunca chegou no prazo definido. A operação foi, por isso, abortada no final de Março do ano passado.    

 

Só que, desta vez, a operação foi por um concurso público, conforme anunciado em Dezembro.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ehehe Há 21 horas

O Banco do corrupto de direita do Relvas.

Saber mais e Alertas
pub