Imobiliário Investimento em centros comerciais vai passar os 1.500 milhões

Investimento em centros comerciais vai passar os 1.500 milhões

A aposta em centros comerciais deverá pesar, pelo menos, 60% do investimento em imobiliário comercial português em 2018. Num ano em que não abrem novos, só se prevêem expansões.
Investimento em centros comerciais vai passar os 1.500 milhões
O Dolce Vita Tejo foi comprado pela Axa
Wilson Ledo 31 de janeiro de 2018 às 13:46

O investimento em centros comerciais portugueses deverá fixar-se entre os 1.500 e os 1.800 milhões de euros em 2018. A perspectiva é da consultora imobiliária JLL.

Depois de um primeiro mês onde foram anunciadas várias operações – com a alienação do Dolce Vita Tejo, de quatro centros comerciais da Blackstone e de outros quatro da Sonae Sierra – o mercado mostra-se confiante em atingir este valor recorde.


A aposta em centros comerciais deverá representar pelo menos 60% dos 2.500 milhões de euros previstos para o investimento em imobiliário comercial português durante 2018. O valor global representa uma subida de 25% face ao ano passado.


Com uma rentabilidade na ordem dos 4,75%, "Portugal é um país muito maduro nos centros comerciais", considera Fernando Ferreira, responsável da área de investimento da JLL.


No ano passado abriram dois centros comerciais em Portugal – o Évora Plaza e o Mar Shopping Algarve – e para 2018 não se prevêem novas aberturas. "Daqui para a frente vai ser só expandir", traça Maria Empis, da área de investigação da JLL, relembrando a estratégia de afirmação destas áreas comerciais de se afirmarem como espaços de lazer.


Estão previstas expansões de 62.000 metros quadrados em vários centros comerciais existentes, como o Colombo, o Norte Shopping, o Oeiras Parque ou o Glicínias Plaza. A nível nacional, a renda média situa-se nos 120 euros por metro quadrado.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub