Imobiliário Investimento em imobiliário comercial vai superar os mil milhões de euros pelo terceiro ano

Investimento em imobiliário comercial vai superar os mil milhões de euros pelo terceiro ano

Depois do recorde de 2015, o ano passado voltou a ser positivo para o mercado imobiliário comercial e as perspectivas da Cushman & Wakefield apontam para que a tendência prossiga este ano.
Investimento em imobiliário comercial vai superar os mil milhões de euros pelo terceiro ano
O NorteShopping vai ser renovado este ano
Nuno Carregueiro 04 de Janeiro de 2017 às 15:12

O investimento em imobiliário comercial em Portugal vai superar "largamente" os mil milhões de euros em 2017, naquele que será o terceiro ano seguido acima desta fasquia.

 

As perspectivas são da Cushman & Wakefield e têm por base a "atractividade do sector para nacionais e internacionais", sendo que "os negócios actualmente em pipeline e com fortes probabilidades de serem concretizados ultrapassam largamente os mil milhões de euros".

 

Quanto ao balanço do ano passado, o investimento terá atingido 1,3 mil milhões de euros, abaixo do recorde de 2 mil milhões de euros, mas o segundo valor mais elevado de sempre.

"O mercado de ocupação confirmou a aposta dos investidores no mercado português, reflectindo de forma transversal uma procura saudável e dinâmica, que consolidou em 2016 com volumes que se alinham com os valores pré-crise", refere Eric van Leuven, director-geral da consultora em Portugal.

 

No ano passado o valor médio por transacção situou-se nos 31 milhões e de euros, sendo que o capital estrangeiro continuou a ser o principal impulsionador da actividade, apesar de ter baixado o peso para 82%.

 

O mercado de escritório foi o que atingiu o maior volume de investimentos (um máximo histórico acima de 600 milhões de euros). "A operação do Campus da Justiça, no Parque das Nações, a venda do Edifício NOS e da Torre A das Torres de Lisboa foram as mais significativas no sector", refere a C&W, assinalando que "o mercado de retalho manteve também a sua grande atractividade, num total de mais de 500 milhões de euros negociados". A compra do AlgarveShopping e Estação Viana ao Fundo Sierra, por parte dos americanos da CBRE GIP, foi a maior operação.

 

Na antevisão para este ano, a C&W estima que o "mercado de escritórios deverá manter-se um crescimento sustentado e saudável da procura motivado pelas perspectivas positivas para a economia e a correcção continuada do desemprego". Já as rendas de mercado "podem verificar novos crescimentos ao longo de 2017, sobretudo ao nível dos activos de escritórios".

 

No que diz respeito aos centros comerciais, a consultora refere que "2016 foi um ano mais activo em termos de aberturas", com a inauguração do Nova Arcada e de 3 retail parks. Para este ano estão previstos dois novos espaços comerciais: o Mar Shopping Algarve, com 83.000 m2 ABL e o Évora Shopping com 16.400 m2. Também para este ano está prevista a expansão do NorteShopping, do Oeiras Parque e do Centro Colombo.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Não fico satisfeito que os grandes grupos nos emagreçam até ao tutano. A produção nacional cada vez mais é substituída por produtos estrangeiros. É POR ACASO QUE BREXIT GANHOU?
Trump já fez uma coisa que poucos sonhariam. Conseguiu que a marca Ford investisse nos USA em detrimento de outro país.

pub
pub
pub
pub