Transportes Investimento imobiliário caiu no primeiro semestre

Investimento imobiliário caiu no primeiro semestre

O retalho é a área que mais puxa pelo investimento imobiliário, à custa da venda do Fórum Coimbra e do Fórum Viseu. Na hotelaria só se negociou uma unidade, mostram os dados da consultora Worx.
Investimento imobiliário caiu no primeiro semestre
Sofia A. Henriques/Negócios
Wilson Ledo 12 de julho de 2017 às 12:08

O investimento em imobiliário nacional atingiu os 751 milhões de euros no primeiro semestre de 2016, revelando uma quebra de 36% face ao mesmo período do ano passado.

A conclusão é da consultora imobiliária Worx, que destaca o desempenho do sector do retalho, com um valor de investimento de 400 milhões de euros.


A contribuir estão a venda do Fórum Coimbra e do Fórum Viseu pela Locaviseu aos grupos Greenbay e Resiliente, da Mauritânia e África do Sul, respectivamente.


Nos escritórios, as transacções de maior peso atingiram os 244 milhões de euros. Exemplos são a venda do edifício Entreposto por 65,5 milhões de euros à Signal Capital ou do Central Office por 29 milhões à Merlin Properties, ambos em Lisboa.


Há ainda a destacar a venda, por parte da Caixa Geral de Depósitos, do edifício da antiga sede do ex-Banco Nacional Ultramarino (BNU), na Avenida de Berna em Lisboa, por 50 milhões de euros à Segurança Social.


A hotelaria é a área onde a quebra foi mais acentuada, tendo-se negociado apenas um hotel: o Lux Park Hotel, em Lisboa, por 16 milhões de euros.


Apesar da tendência de quebra que se tem vindo a registar, a Worx considera que o mercado português vai continuar a assistir a "elevados volumes de liquidez e interesse", atingindo valores semelhantes ao final de 2016.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub