Empresas IP avança com modernização da linha da Beira Baixa

IP avança com modernização da linha da Beira Baixa

As obras de modernização do troço Covilhã-Guarda têm um custo estimado de 65 milhões, a que acrescem outros 23 milhões para projectos, sinalização e expropriações.
IP avança com modernização da linha da Beira Baixa
Bruno Simão/Negócios
Maria João Babo 27 de dezembro de 2016 às 21:00

A Infraestruturas de Portugal (IP) já lançou o  concurso para a modernização do troço Covilhã/Guarda, da linha da Beira Baixa, com um preço base de 65 milhões de euros. Ao valor da empreitada acrescem, segundo explicou a empresa na apresentação do projecto esta terça-feira na Guarda, os custos com os estudos e projectos, expropriações, fiscalização, materiais de fornecimento e sinalização, de outros 23 milhões de euros.

A intervenção na Linha da Beira Baixa, segundo a IP, contempla a renovação integral de 36 quilómetros de via e a electrificação da ligação entre as cidades da Guarda e da Covilhã, desactivada desde 2009. Inclui ainda a reabilitação de seis pontes ferroviárias centenárias, a remodelação de três estações e apeadeiros, a drenagem e estabilização de taludes e a instalação de sinalização electrónica e telecomunicações.

[O restabelecimento da ligação Guarda-Covilhã é] a maior obra de ferrovia que a Infraestruturas de Portugal lança em quase uma década em Portugal. Pedro Marques, Ministro do Planeamento  e das Infraestruturas

Além do plano de modernização do troço Covilhã-Guarda foi ainda apresentado o projecto de concordância daquela via com a Linha da Beira Alta, numa cerimónia que contou com a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques. Ambos os investimentos ferroviários deverão estar concluídos no primeiro trimestre de 2019.

O Plano Ferrovia 2020 prevê um investimento global de 2,7 mil milhões de euros. No âmbito deste plano já foram lançadas obras nas linhas do Douro, Minho e Norte.

Na Linha do Douro avançou o projecto para a a electrificação do troço Caíde-Marco, um investimento de cerca de 6,2 milhões de euros. Na do Minho, a electrificação do troço entre Nine e Viana do Castelo, no valor de cerca de 16 milhões, assim como as empreitadas de construção da subestação de tracção de Vila Fria (3,7 milhões), do sistema de sinalização do troço Nine/ Valença (8,8 milhões) e a supressão da passagem de nível em Midões e construção da passagem inferior rodoviária  (800 mil euros).

Já a requalificação do troço entre Alfarelos e Pampilhosa, na Linha do Norte, numa extensão de 35 quilómetros, representa um investimento que ascende aos 30,5 milhões de euros.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub