Transportes IP lança concurso para limpeza de vegetação na rede ferroviária

IP lança concurso para limpeza de vegetação na rede ferroviária

A IP lançou um concurso público de oito milhões de euros para a execução no próximo anos de trabalhos de controlo de vegetação junto à rede ferroviária nacional, no âmbito do sistema de defesa da floresta contra incêndios.
IP lança concurso para limpeza de vegetação na rede ferroviária
Reuters
Maria João Babo 15 de dezembro de 2017 às 20:27

A Infraestruturas de Portugal (IP) lançou um concurso público, com um valor base de oito milhões de euros, para execução dos trabalhos de controlo de vegetação e desmatação na infraestrutura ferroviária em 2018, anunciou esta sexta-feira a empresa.

A empreitada envolve a realização de intervenções de limpeza e gestão de faixas de combustível junto à rede ferroviária nacional e pretende dar cumprimento à resolução do Conselho de Ministros de Outubro, que aprovou o plano de actuação para limpeza das bermas e faixas de gestão de combustível da rodovia e da ferrovia.

A IP ficou encarregue de, no caso da rede ferroviária, desenvolver "todas as actividades necessárias, nomeadamente de deservagem e de corte selectivo de vegetação herbácea, arbustiva e arbórea até dez metros do limite do carril exterior, nas faixas de gestão de combustível", tendo ficado estabelecido que "os trabalhos de limpeza das faixas de gestão de combustível na rede ferroviária nacional, com uma extensão total aproximada de 2.500 quilómetros, darão prioridade às infraestruturas nas zonas florestais".

A empreitada agora lançada a concurso será repartida em nove lotes, correspondendo a diferentes áreas geográficas. O valor base mais elevado diz respeito à área de Ermesinde, num total de mais de 1,4 milhões de euros, seguindo-se o Entroncamento, onde o valor previsto ultrapassa os 1,3 milhões, e Setúbal e Tunes, com um custo estimado acima de um milhão. Em Aveiro o valor previsto ronda os 817 mil euros, enquanto os trabalhos a realizar na região da Guarda têm um custo estimado da ordem dos 789 mil euros, em Coimbra de 531 mil euros, nas Caldas da Rainha de cerca de 536 mil euros e Lisboa quase 395 mil euros.


O Conselho de Ministros determinou em Outubro que a IP desenvolva no próximo ano "todas as actividades necessárias, nomeadamente de ceifa e de corte selectivo de vegetação herbácea, arbustiva e arbórea até dez metros do limite da faixa de rodagem, nas faixas de gestão de combustível, relativamente à rede rodoviária de que é concessionária.

Relativamente à intervenção na rede ferroviária, o diploma do Governo refere a especial incidência nas Linhas do Minho, Douro, Beira Alta e Beira Baixa, "sendo aí desenvolvidos trabalhos de forma mais célere até ao Verão de 2018".


A empresa tem ainda de definir que os trabalhos de limpeza das faixas de gestão de combustível na rede viária nacional, com uma extensão total aproximada de 16.000 quilómetros, serão desenvolvidos de forma mais célere, até ao verão de 2018, nos eixos rodoviários principais e nas vias dos concelhos com elevado grau de perigosidade de ocorrência de calamidades naturais.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
anonimo 17.12.2017

Pois, contratam e depois não fiscalizam.Vai acontecer o mesmo que nas EP, cortam a vegetação e deixam-na no local a secar.Isso torna mais fácil a ignição das chamas.

pub