Energia Irão e Total com acordo de 4,3 mil milhões para o gás natural

Irão e Total com acordo de 4,3 mil milhões para o gás natural

O contrato, que será válido por 20 anos, envolve uma área do maior campo de gás do mundo e é o primeiro de grandes dimensões a ser assinado com uma multinacional depois do acordo que iniciou a retirada de sanções ao Irão.
Irão e Total com acordo de 4,3 mil milhões para o gás natural
Balint Porneczi/Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 08 de Novembro de 2016 às 10:21

O Irão e um consórcio de empresas liderado pela petrolífera francesa Total chegaram a acordo para desenvolver um projecto de extracção de gás natural, naquele que é o primeiro grande entendimento internacional para a área energética desde o acordo que iniciou a retirada das sanções àquele país.


O entendimento pressupõe um investimento de 4.800 milhões de dólares (cerca de 4,3 mil milhões de euros à cotação actual) no maior campo de gás natural do mundo, partilhado entre Irão e Qatar, e será um primeiro passo para a entrada de outras multinacionais naquele mercado.


Para Amir-Hossein Zamaninia, o vice-ministro do petróleo com a pasta dos assuntos internacionais, o acordo abrirá caminho "em breve a mais contratos multimilionários de petróleo e gás com outras empresas, incluindo europeias e russas," segundo afirmou ao Financial Times, antecipando para dentro de "poucas semanas" o próximo contrato.


Este acordo, ainda preliminar, deverá ser assinado nos próximos três meses e é válido por 20 anos, sendo a exploração iniciada 40 meses depois da assinatura. Do consórcio liderado pela empresa francesa (com 50,01%) fazem ainda parte a chinesa CNPC (30%) e a iraniana Petropars (19,99%).


A fase 11, que será desenvolvida pelo consórcio, é uma das 24 em que se divide o campo em causa e tem um potencial de exploração de 21 biliões de pés cúbicos de gás e de produção diária de 2 mil milhões de pés cúbicos em capacidade máxima.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub