Energia Isabel dos Santos exonerada da Sonangol pelo presidente de Angola

Isabel dos Santos exonerada da Sonangol pelo presidente de Angola

Após as mudanças nas administrações de várias empresas públicas, o presidente angolano afastou Isabel dos Santos da Sonangol. A petrolífera, segunda maior accionista da Galp e do BCP, tem novo presidente: Carlos Saturnino.
Isabel dos Santos exonerada da Sonangol pelo presidente de Angola
Isabel dos Santos assumiu a liderança da Sonangol em 2016, tendo sido nomeada pelo seu pai.
Ampe Rogério/Novo Jornal
João Lourenço exonerou esta quarta-feira, 15 de Novembro, Isabel dos Santos, filha do anterior chefe do Estado, José Eduardo dos Santos, do cargo de presidente do conselho de administração da Sonangol. A informação foi avançada pela Lusa, que cita a Casa Civil do presidente da República, e confirmada pelo Negócios junto de uma fonte da petrolífera angolana.

A informação foi tornada pública ao início da tarde no site oficial do Governo da República de Angola, mas não são apontadas razões para a exoneração da administração da petrolífera, accionista das empresas portuguesas Galp e BCP.

A agência de notícias dá conta que Isabel dos Santos vai ser substituída na liderança da petrolífera angolana por Carlos Saturnino, que foi exonerado do cargo de secretário de Estado dos Petróleos.

Carlos Saturnino foi presidente da Sonangol Pesquisa e Produção até Dezembro de 2016, altura em que foi afastado por Isabel dos Santos por "debilidades na gestão e consequente desvio de fundos".

Um sinal claro de que João Lourenço se preparava para afastar Isabel dos Santos foi dado quando o presidente de Angola não ratificou, há pouco mais de uma semana, as nomeações dos portugueses Susana Brandão e Emídio Pinheiro, ex-presidente do Banco Fomento Angola, para a administração da Sonangol.

No último mês avolumaram-se os rumores que davam conta da demissão eminente de Isabel dos Santos, que foi nomeada pelo pai para a presidência da petrolífera em 2016. Há duas semanas o rumor transformou-se mesmo em notícia tendo sido desmentido então, tanto pela Presidência de Angola como pela Sonangol.

Afastamento da família dos Santos

Isabel dos Santos tinha vindo a reagir de forma indirecta a esta situação através da sua conta oficial no Instagram. Numa publicação feita há cinco dias a empresária citava Aristóteles: "Há apenas uma maneira de evitar críticas: não faça nada, não diga nada e não seja nada". 

Há dias, o Governo rescindiu o contrato de concessão atribuído à Bromangol, monopolista da área das análises laboratoriais de alimentos. Como o Negócios deu conta, a Bromangol é uma empresa com ligações a José Filomeno dos Santos, filho do ex-chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, que é também director do Fundo Soberano de Angola.

Já esta quarta-feira, e de acordo com a agência de notícias angolana, houve também ordens de João Lourenço para o cancelamento de contratos com duas empresas da área da comunicação social ligadas a dois filhos do antecessor José Eduardo dos Santos (Welwitchia dos Santos, "Tchizé", e José Paulino dos Santos, "Córeon Dú").


Antigo presidente da Sonangol entra no Governo 

Regressando à Sonangol, a decisão não diz respeito apenas à presidente. Além de Isabel dos Santos, o presidente angolano, "usando dos poderes conferidos pela Constituição da República de Angola, tomou a decisão de exonerar" Eunice Carvalho, Edson dos Santos, Manuel Lino Carvalho Lemos e João Pedro dos Santos dos cargos de administradores executivos, bem como Sarju Raikundalia, até agora administrador não executivo, refere a Lusa.

 

Em substituição, além do novo presidente do conselho de administração, que será Carlos Saturnino, o presidente angolano nomeou, para administradores executivos, Sebastião Pai Querido Gaspar Martins, Luís Ferreira do Nascimento José Maria, Carlos Eduardo Ferraz de Carvalho Pinto, Rosário Fernando Isaac, Baltazar Agostinho Gonçalves Miguel e Alice Marisa Leão Sopas Pinto da Cruz. Mantêm-se José Gime e André Lelo como administradores não executivos.

Para o lugar de secretário de Estado dos Petróleos, o presidente angolano nomeou Paulino Jerónimo, que antes de Isabel dos Santos era o presidente da Sonangol.

Mudanças nas empresas públicas

João Lourenço tem vindo a promover exonerações em inúmeras empresas públicas angolanas. Aliás, para lá da nota que revela o afastamento da administração da Sonangol, existem comunicados relativos a mudanças na liderança de cargos de nomeação política em vários sectores.

 

Na comunicação social, houve exonerações e novas nomeações na Televisão Pública de Angola, na Agência Angola Press e na Radiofusão Nacional de Angola.

 

Nos diamantes, as alterações fizeram-se sentir na administração da Sodiam – Empresa de Comercialização de Diamantes, e na Endiama – Empresa de Diamantes de Angola. Da mesma forma, a cúpula do Banco Nacional de Angola também sofreu modificações por decisão do presidente angolano. 


As entradas e saídas da Sonangol, segunda maior accionista do BCP e da Galp

João Lourenço tomou a decisão de exonerar as seguintes entidades que integram o conselho de administração da empresa Sonangol – EP:

Isabel dos Santos, do cargo de presidente do conselho de administração;

Eunice Paula Figueiredo Carvalho, do cargo de administradora executiva;

Edson de Brito Rodrigues dos Santos, do cargo de administrador executivo;

Manuel Lino Carvalho Lemos, do cargo de administrador executivo;

João Pedro de Freitas Saraiva dos Santos, do cargo de administrador executivo;

José Gime, do cargo de administrador não executivo;

André Lelo, do cargo de administrador não executivo;

Sarju Raikundalia, do cargo de administrador não executivo.

Noutro decreto, o presidente da República nomeou as seguintes entidades para integrarem o conselho de administração da Sonangol - Empresa Pública:

Carlos Saturnino Guerra Sousa e Oliveira - presidente do conselho de administração;

Sebastião Pai Querido Gaspar Martins - administrador executivo;

Luís Ferreira do Nascimento José Maria - administrador executivo;

Carlos Eduardo Ferraz de Carvalho Pinto - administrador executivo;

Rosário Fernando Isaac - administrador executivo;

Baltazar Agostinho Gonçalves Miguel – administrador executivo;

Alice Marisa Leão Sopas Pinto da Cruz - administradora executiva;

José Gime - administrador não executivo;

André Lelo - administrador não executivo.

 

(notícia actualizada pela última vez às 13:32 com comunicado oficial do Governo de Angola e mais informações)



A sua opinião27
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

PELO QUE SE SABE, O PRESIDENTE INDIGITADO (QUE RETOMA O PODER) CARLOS SATURNINO É UM PIRATA IGUAL OU PIOR QUE OS ANTERIORES...

LÁ COMO CÁ, O PAÍS É DESGOVERNADO POR UMA ESCUMALHA...!!!

Bela Há 1 semana

Isabelinha testa de ferro do paizinho

OPA ao BCP = TOP SECRET Há 1 semana





ora bem como os SRS da FOSUN de burros nada TÊM eles FICANDO com a POSIÇÃO da sonangol ficam com 60% do MILENIUM BCP depois LAÇAM UMA OPA ao BCP e ficam com 100 % do MILENIUM BCP o MAIOR DIAMANTE da EUROPA

General Ciresp Há 1 semana

Sera que os zimbanbuanos(velha Rodesia,acho) estao a olhar para o pranto de Joao Lourenco.E q o DITADOR mugabe comuna ja nao deve mandar matar mais OLIFANTES para tainas.Foram 37 anos a DEPLORAR aquilo que os ingleses VERDEJANTE atraz deixarm atravez dum golpe de estado.O preto e preto e preto fica

ver mais comentários
pub