Banca & Finanças Islândia confirma penas de prisão a sete banqueiros

Islândia confirma penas de prisão a sete banqueiros

O Supremo Tribunal da Islândia pronunciou sentenças condenatórias a nove executivos do Kaupthing Bank, acusados de manipulação de mercado e cujos crimes culminaram na crise financeira vivida pelo país em 2008.
Islândia confirma penas de prisão a sete banqueiros
Negócios 07 de Outubro de 2016 às 14:32

A mais recente decisão do Supremo Tribunal da Islândia veio confirmar a abordagem distinta das autoridades judiciárias islandesas comparativamente com o que aconteceu no resto da Europa e nos Estados Unidos, permitindo que banqueiros sejam acusados judicialmente por práticas indevidas.

 

Segundo avança esta sexta-feira, 7 de Outubro, o Independent, citando o Iceland Monitor, o Supremo islandês decidiu contrariar as sentenças pronunciadas por uma instância inferior no julgamento aos nove executivos do Kaupthing Bank, que antes da crise financeira de 2008 era o maior banco do país e que faliu devido ao elevado nível de dívida. A falência obrigou à intervenção pelo Estado e à alteração do nome para Arion Banki.

 

O Supremo reiterou assim a culpabilidade destes nove executivos, considerando-os responsáveis pelo crime de manipulação de mercado. O julgamento destes antigos gestores começou em Abril de 2015, na jurisdição judicial de Reiquiavique, que acabou por considerar sete dos arguidos culpados e tendo absolvido dois.

 

Contudo, o Supremo anulou a outra decisão atribuindo culpa aos nove arguidos, incluindo Björk Þórarinsdóttir, ex-responsável pela área de crédito, e Magnús Guðmundsson, antigo CEO do Kaupthing Luxembourg.

 

Destes nove arguidos, seis foram condenados, em 2015, a penas de prisão que variam entre um e mais de quatro anos. Em causa está o crime relativo à concessão de empréstimos utilizando acções próprias do banco como colateral.

O Supremo islandês confirmou assim a condenação a penas de prisão a seis dos executivos anteriormente condenados, tendo ainda aumentado em seis meses a pena de prisão de cinco anos e meio aplicada a Hreiðar Már Sigurðsson, antigo director do banco. Apesar da condenação atribuída a Þórarinsdóttir e a Guðmundsson, estes dois antigos gestores não foram alvos de penas de prisão.




A sua opinião56
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


"Destes nove arguidos, seis foram condenados, em 2015, a penas de prisão que variam entre um e mais de quatro anos. Em causa está o crime relativo à concessão de empréstimos utilizando acções próprias do banco como colateral."

DENÚNCIA:

Por cá o Millennium BCP impingiu, entre 1999 e 2001, dezenas de milhar de euros em crédito para a compra das suas próprias acções a menores, desempregados, idosos e em simultâneo manipulava as cotações com 31 Offshore´s,
Todos (BdP, CMVM, M.P.) sabem desses crimes e permitem que o BCP continue, actualmente, a extorquir o património das suas vítimas.
Grandes responsáveis pelas offshore´s estão hoje no BdP (Carlos Costa) e na CMVM (Namorado Rosa director da Supervisão).

Sr Presidente da República e Srª Procuradora leiam, pf., com atenção e mandem investigar, porque isto não pode ser considerado como actividade bancária, mas sim Crime Público. Não queiram que Portugal se transforme num país de escravos onde alguns "srs" exploram, impunemente, os mais vulneráveis.

OBS.: Autorizo o JN a ceder o meu IP à PGR.



comentários mais recentes
Maria Há 3 semanas

O Carlos Costa era diretor do BCP, vindo da CGD, e agora Governador. O compadre Teixeira dos Santos, estava na CMVM, agora no BIC que comprou o BPN que o Teixiera nacionalizou e vendeu a pataco - ao BIC. A história da regulação e o amiguismo com os bancos em crise em Portugal está por contar...

Anónimo Há 3 semanas

EM PORTUGAL A Q CONCLUSÃO CHEGAMOS? QUE A PGR, JUIZES E ADVOGADOS etc. SÃO TODOS FAMILIARES DOS GRANDE CORRUPTOS Q EXISTEM NO PAÍS. COMO PODE CRESCER ONDE 80% ROUBA E OS 20% PAGA?

Anónimo Há 3 semanas

ONDE ESTÁ A P.G.R.? ONDE ESTÃO OS JUÍZES? POR CÁ NINGUÉM FAZ NADA A ESTES CORRUPTOS BANQUEIROS. PONHAM OS OLHOS NA ISLÂNDANDIA. A JUSTIÇA CÁ É SÓ P ALGUNS. VEJAM O SOCRATES.
ANDAM A INTERTER O POVO C ESSA NOVELA P ESQUECER OUTROS.

Povo não dês o teu voto ao ladrão Há 3 semanas

O povo também tem culpa,sabe que é ladrão mas vai lá dar lhe o voto,exemplo cavaco.

ver mais comentários
pub