Media Israel quer encerrar delegação da Al-Jazeera que ameaça com tribunais

Israel quer encerrar delegação da Al-Jazeera que ameaça com tribunais

O Governo israelita pretende fechar a delegação da Al-Jazeera no seu território. Acusa a estação de incitação à violência. A Al-Jazeera já disse que vai contestar judicialmente a determinação.
Israel quer encerrar delegação da Al-Jazeera que ameaça com tribunais
Reuters
Lusa 06 de agosto de 2017 às 19:37
O Governo de Israel anunciou a intenção de encerrar a delegação da cadeia televisiva Al-Jazeera, sedeada no Qatar e acusada de "incitações" à violência, anunciou o Ministério das Comunicações israelita. A estação já condenou a decisão do Governo israelita, dizendo que vai contestá-la judicialmente.

Há vários anos que as autoridades israelitas acusam a Al-Jazeera de "parcialidade" na cobertura do conflito israelo-palestiniano. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu tinha já referido, no final de Julho, que pretendia expulsar a cadeia Al-Jazeera, acusada de exacerbar as tensões em torno dos lugares santos de Jerusalém.

O ministro das Comunicações israelita vai anular as acreditações dos jornalistas e interromper as ligações por cabo e satélite da cadeia, precisou em comunicado. O ministro da Segurança Interna vai ainda formalizar um procedimento destinado ao encerramento dos escritórios da cadeia televisiva.

As autoridades israelitas vão também tentar limitar as capacidades de transmissão da cadeia através das ligações "abertas que permitem à maioria dos telespectadores da comunidade árabe israelita terem acesso" à Al-Jazeera, acrescentou o ministério das Comunicações sem fornecer mais detalhes.

O anúncio sobre o silenciamento da Al-Jazeera surge após duas semanas de tensões em torno da esplanada das Mesquitas em Jerusalém-leste, onde o Estado hebraico instalou um novo dispositivo de segurança que suscitou uma reacção de revolta da população palestiniana. Israel acabou por recuar e desmontou os últimos elementos desse dispositivo. 

Mas a Al-Jazeera já disse que iria contestar esta decisão. "A Al-Jazeera condena esta medida por parte de um Estado que pretende ser a única democracia do Médio Oriente", declarou um responsável da televisão, citado pela agência noticiosa francesa AFP, acrescentando que a cadeia televisiva vai contestar na justiça esta medida, que classificou como grave.

"A Al-Jazeera dará seguimento a este caso por meio dos procedimentos legais e judiciais apropriados", afirmou.

"Israel sustenta que é o único Estado democrático do Médio Oriente e gaba-se disso, mas segue, de livre vontade, a decisão de países ditatoriais que não reconhecem a liberdade de expressão e a liberdade de informação", sublinhou o responsável da Al-Jazeera, dizendo-se espantado por ver o Ministério das Comunicações israelita justificar a decisão contra a sua TV com argumentos utilizados pelos "países do bloqueio, que são a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein e o Egipto".

A 5 de Junho, estes países cortaram relações diplomáticas com o Qatar, acusando-o de "apoiar o terrorismo" e no ultimato que fizeram ao país para o reatamento de contacto está, entre outras exigências, o encerramento da Al-Jazeera.

O ministro das Comunicações israelita justificou a sua decisão dizendo que "nos últimos tempos, quase todos os países da região, nomeadamente a Arábia Saudita, o Egipto e a Jordânia, chegaram à conclusão de que a Al-Jazeera incita ao terrorismo e ao extremismo religioso".

"Seria aberrante, nestas condições, que esta estação continuasse a emitir" a partir de Israel, acrescentou o ministro, Ayub Kara.

O responsável da Al-Jazeera contestou as acusações israelitas de parcialidade na cobertura dos acontecimentos em torno dos lugares santos de Jerusalém.

"A nossa cobertura dos acontecimentos nos territórios palestinianos é profissional e objectiva e os israelitas reconheceram-no mais de uma vez, porque nos preocupamos em apresentar as opiniões e os respectivos contraditórios", sustentou.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Amado/Serra das Minas... 07.08.2017

..ALJAZEERA THE BEST TV CHANEL.Thanks for the Journalists at the station. Go ahead.

pub