Banca & Finanças Itália protege obrigacionistas de retalho no resgate do Monte de Paschi  

Itália protege obrigacionistas de retalho no resgate do Monte de Paschi  

As acções e obrigações do Monte dei Paschi estão suspensas de negociação depois do banco italiano ter solicitado ajuda ao governo para se recapitalizar. Os detentores dos títulos de dívida garantem grande parte ou mesmo a totalidade do investimento.
Itália protege obrigacionistas de retalho no resgate do Monte de Paschi  
Bloomberg
Nuno Carregueiro Carla Pedro 23 de dezembro de 2016 às 09:08

O Banca Monte dei Paschi di Siena (BMPS) deitou ontem a toalha ao chão no objectivo de se recapitalizar sem recorrer a ajuda estatal, tendo o Governo italiano já aprovado o decreto que permite a intervenção do Estado nos bancos em apuros.

 

Estes últimos desenvolvimentos ocorreram ontem à noite e torna inevitável o resgate do banco italiano, que solicitou um aumento de capital cautelar a subscrever pelo Estado, que já controla 4% do capital do BMPS.

 

Apesar dos contornos em que se vai desenrolar a operação não serem ainda públicos e oficiais, de acordo com a Bloomberg a solução do executivo italiano protege os particulares que investiram nas obrigações do BMPS.

 

Os detentores de títulos Tier 1 (sobretudo investidores institucionais) vão receber acções que equivalem a 75% do valor nominal das obrigações. Já os detentores de títulos Tier 2 (sobretudo investidores de retalho) vão mesmo receber 100% do valor nominal em acções. Posteriormente, estas acções podem ser trocadas por títulos de dívida sénior, que têm uma maior garantia de reembolso.

 
"A protecção dos pequenos aforradores é total", assegurou o ministro das Finanças, Pier Carlo Padoan. São 40 mil os investidores que detêm em carteira obrigações do BPMS.

As novas regras europeias obrigam os resgates dos bancos a limitar as perdas para os contribuintes, pelo que os detentores de dívida e acções são obrigados a sofrer perdas.

 

O Governo vai assim avançar para uma solução que protege os detentores particulares de títulos de dívida do banco, depois de já ter garantido que os depositantes não iriam sofrer perdas se o Paschi fosse resgatado. Quanto aos accionistas, não se sabe ainda o que vai acontecer, sendo que as acções e as obrigações do banco estão suspensas de negociação até ser anunciado o resgate. Ontem as acções afundaram 7,48%, elevando para 87,76% a perda acumulada no ano. Ainda assim, o banco apresenta uma capitalização bolsista de 442 milhões de euros.

 

O primeiro-ministro italiano garantiu que o plano do Governo italiano para intervir na banca tem o aval de Bruxelas e o ministro das Finanças afirmou que o pacote aprovado pelo Conselho de Ministros "assegura as necessidades de capital do BMPS e permite ao banco prosseguir com o seu plano de negócios. É preciso agora saber se outros bancos necessitam de ajuda".

 

O Estado italiano tem pronto um pacote de 20 mil milhões de euros para recapitalizar os sistema financeiro italiano, que tem enfrentado dificuldades devido ao elevado nível de crédito malparado.

 

Assumindo que os 20 mil milhões de euros deste pacote de ajuda à banca são usados no próximo ano, isso corresponderá a cerca de 1,2% do PIB de Itália, "tornando altamente improvável que o país consiga cumprir os compromissos de gestão da dívida nos termos das regras orçamentais da União Europeia", adverte o Financial Times.

 

"São boas notícias, finalmente estamos a caminho de uma solução", afirmou à Bloomberg Jacopo Ceccateli, analista de uma corretora em Milão, acrescentando que "Itália está a fazer agora o que outros países fizeram há vários anos".

 

O mercado também está a aplaudir a solução, com os bancos italianos a negociarem em alta na bolsa de Milão.

 

(notícia actualizada às 9:20 com mais informação)




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 23.12.2016


Ladrões PS - PCP - BE - FP - CGA - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


As pensões douradas da CGA são SUBSIDIADAS em 500€, 1000€, 1500€ e mais… POR MÊS.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E NÃO AS MÍNIMAS.


comentários mais recentes
Anónimo 23.12.2016

Este devia ser resolvido como foi o BES e o BANIF, mas, esta Europa não é igual para todos. A França é a França, a Itália é a Itália, enfim somos governados por incompetentes e corruptos. Quem perdeu com estas resoluções foi Portugal e os Portugueses.

Anónimo 23.12.2016

OH "CAMARADA"
FAZ UM ESFORÇO LOUVÁVEL, MAS ESTA DO ROUBO, JÁ NÃO PEGA!
AINDA NÃO PERCEBEU?
É CLARO, QUE PODE SEMPRE INSISTIR, ATÉ O DIABO O OUVIR.


PS – PCP – BE –FP -CGA
ROUBAM CASA
ROUBAM CARRO
ROUBAM BICICLETA
ROUBAM MULHER
ROUBAM CAPLANA
ROUBAM RÁDIO COM ESCULTADOR
ROUBAM SPORTÊ
ROUBAM BENFIQUÊ
ROUBAM TUDO!

PSD/CDS NÃO ROUBAM NADA, MAS VÃO Á RABADILHA DE NÓS QUANDO ESTÃO NO GOVERNO!

PARA QUEM GOSTA É MUITO BOÉ!

Anónimo 23.12.2016

Fazem bem só assim asseguram a confiança de quem aplica as poupanças de uma vida ...

surpreso 23.12.2016

Aqui ,protegeram os "lesados do BES" que compraram,NÃO OBRIGAÇÕES DO BANCO,MAS PAPEL DA CANGALHADA DO GRUPO,QUE DAVA MAIS JURO.VAMOS PAGAR A MERCADORIA ELEITORAL DO COSTA

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub